A Energisa (ENGI11) divulgou nesta segunda-feira (25), os dados operacionais referentes ao mês de setembro e ao terceiro trimestre de 2021.

O consumo consolidado de energia elétrica, cativo e livre, nas áreas de concessão do Grupo Energisa, apresentou crescimento de 2,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

O desempenho no mês foi impulsionado, principalmente, pelo aumento do consumo de energia das classes comercial (+6,1%) e residencial (+4,0%), direcionado pelas flexibilizações de restrições ao comércio/serviços e clima quente.

No mês, 8 das 11 distribuidoras apresentaram aumento no consumo de energia em suas áreas de concessão.

A classe residencial (+4,0%) foi a maior contribuição para o crescimento no mês, com a EMT (+8,8%) apresentando o maior avanço, sendo esse resultado direcionado por calendário maior, base baixa de comparação e clima mais quente.

O consumo da classe comercial mostrou aumento de 6,1%, representando 36% do crescimento no mês.

A classe rural registrou aumento de 2,9%, crescimento concentrado na EMT (+6,4% ou 10,0 GWh), impulsionado por calendário e clientes ligados à soja, milho e algodão.

A classe industrial, por sua vez, apresentou queda de 1,8% (11,4 GWh), sendo os maiores ofensores do resultado o desempenho dos setores de alimentos e minerais não metálicos nas áreas de concessão da EMT e ERRO.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Consumo no Terceiro Trimestre de 2021

O consumo de energia elétrica no mercado cativo e livre do Grupo Energisa apresentou no terceiro trimestre de 2021 (3T21) um aumento de 2,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

A alta no consumo de energia elétrica pode ser associada ao aumento das flexibilizações em meio ao avanço da vacinação.

Vale ressaltar que o terceiro trimestre de 2021 registrou alta também quando comparado ao mesmo período pré-pandemia em 2019 (3,0%).

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

A classe comercial direcionou o resultado na comparação trimestral, registrando crescimento de 6,8% (103,9 GWh), seguida pela categoria residencial (+1,5% ou 49,6 GWh), avançando apesar da alta base de comparação.

A classe industrial (+1,8% e 35,2 GWh), apresentou crescimento acima da média dos últimos dez anos (+1,1%), direcionado pelo setor têxtil, minerais metálicos e não metálicos.

Por sua vez, a classe rural apresentou alta de 0,7% (6,9 GWh).

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Resultado da Energisa no Segundo Trimestre de 2021

O resultado da Energisa (ENGI11) no segundo trimestre de 2021 (2t21), divulgado no dia 12 de agosto, apresentou um lucro líquido de R$ 749 milhões no 2T21, uma alta de 951,4% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebitda ajustado da Energisa atingiu R$ 1,5 bilhão no 2T21, apresentando crescimento de 86,8% na comparação com o 2T20.

A margem Ebitda ajustada da Energisa totalizou 24,5% no 2T21, apresentando crescimento de 6,3 pontos percentuais na comparação com o 2T20. 

A margem líquida da Energisa atingiu 12,3% no 2T21, apresentando crescimento de 14,3 pontos percentuais na comparação com o 2T20.

As ações da Energisa (ENGI11) acumulam queda de 8,21% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 2,01% nos últimos 12 meses.