O consumo consolidado de energia elétrica, cativo e livre, nas áreas de concessão do Grupo Energisa (ENGI11), apresentou redução de 3,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

O resultado em novembro de 2021 foi definido pelas classes residencial (responsável por 63% do total da queda no consumo), rural e comercial.

Essa queda no consumo de energia em novembro está relacionada à alta base de comparação no ano anterior (clima mais seco e quente), calendário menor de leitura e faturamento em nov/2021.

No mês, 8 das 11 distribuidoras apresentaram queda no consumo de energia em suas áreas de concessão. As quedas mais expressivas foram verificadas na EMT, EAC e EMG.

A classe residencial foi uma das principais responsáveis pela queda do consumo no mês, com a EMT, ESS e EMS registrando as maiores baixas.

Esse efeito foi provocado pelas bases altas de comparação no mesmo período do ano passado, em especial na EMT, que obteve a maior alta dos últimos 18 anos em nov/20 (+18,8%).

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

A classe rural registrou queda de 7,4%, explicada em grande parte (56% da redução total no consumo de energia da classe rural) pela EMT.

A classe comercial também apresentou queda no consumo, puxado pelo mercado cativo, sendo os maiores ofensores o calendário e o clima.

As concessões que mais contribuíram com esse resultado na classe comercial em nov/21 foram a EMT, ERO e EMG.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Por fim, o consumo da classe industrial registrou um aumento de 2,9% (18,2 GWh).

Essa alta contou com as contribuições da ESS, que obteve a maior alta para o mês em 17 anos, com crescimento em todos os segmentos industriais que atuam na área de concessão.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Resultado da Energisa no Terceiro Trimestre de 2021

O resultado da Energisa (ENGI11) no terceiro trimestre de 2021 (3t21), divulgado no dia 11 de novembro, apresentou um lucro líquido de R$ 863,9 milhões no 3T21, uma baixa de -6,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebitda da Energisa atingiu R$ 1,7 bilhão no 3T21, apresentando crescimento de 42,0% na comparação com o 3T20.

A margem Ebitda da Energisa totalizou 22,5% no 3T21, apresentando crescimento de 2,7 pontos percentuais na comparação com o 3T20. 

A margem líquida da Energisa atingiu 11,1% no 3T21, apresentando crescimento de 7,7 pontos percentuais na comparação com o 3T20.

As ações da Energisa (ENGI11) acumulam queda de 3,03% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e queda de 8,12% nos últimos 12 meses.