O que é Encilhamento?

A denominação refere-se à política econômica adotada durante o Governo do primeiro presidente do Brasil, Marechal Deodoro da Fonseca. Podemos considerar como marco inicial da aplicação de políticas econômicas no Brasil.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Sua implementação ocorreu no começo do período de República. Neste período de mudança de regime político (transição da Monarquia para a República), ocorriam no Brasil graves desajustes econômicos.

Tais desajustes estavam relacionados com a instabilidade e dependência externa, aliados à falta de dinheiro circulante no país.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

A denominação advém de uma alusão pejorativa ao ato de arrear cavalo. No hipismo a denominação diz respeito ao preparativo feito para ingressar com o cavalo na pista.

 Ao contrário da expectativa gerada, a política implementada fracassou em sua execução.

Apresentaremos, na sequência, como o processo funcionou na prática, desde suas propostas ao cenário vivenciado na época.

O cenário que precedeu o Encilhamento

O cenário político/econômico brasileiro durante o início da República contava com uma estrutura financeira limitada, e uma alta dependência da exportação de produtos primários, em especial o café.

O Brasil, um país exclusivamente agrícola, onde grande parte do volume exportador estava relacionada ao café, como já exposto acima, detinha, por conta disso, uma alta vulnerabilidade externa.

Tal fato fazia com que qualquer choque internacional (crise externa) recaísse diretamente no país. Foi nesse contexto que o Brasil tentou implementar um projeto político visando renovar sua base econômica.

Propostas e objetivos

O ministro da Fazenda na época, Rui Barbosa, colocou em prática um plano de emissão de papel-moeda, buscando uma solução para a falta de dinheiro.

A pauta estratégica por meio da reforma política e monetária, pretendia resolver o problema do pagamento de funcionários assalariados e, ao mesmo tempo, viabilizar a industrialização no Brasil.

Entre as medidas adotadas, vale o destaque a política de adesão a créditos, por meio dos bancos, sem muitas contrapartidas, com o intuito de estimular o consumo e investimento, bem como a industrialização.

Vale ressaltar que não houve um abandono, ou tentativa de ruptura, com o setor primário, do qual a economia brasileira era dependente.

Para a execução dessa política monetária expansionista, o Governo precisou promover a emissão de papel-moeda, no entanto, após muitas pressões, muitos bancos passaram a ser credenciados para emitir papel-moeda.

Dito isto, acabou ocorrendo um aumento desproporcional no dinheiro circulante no Brasil e, inevitavelmente, uma desvalorização da moeda nacional.

Portanto, a desvalorização da moeda nacional, devido à injeção em excesso de dinheiro na economia, deu início a uma pressão inflacionária que culminou em uma grave crise econômica.

Dessa forma, apresentaremos na sequência a crise financeira gerada pela política monetária no período analisado.

Crise do Encilhamento

Como já abordado no ponto anterior, a desvalorização cambial no período foi decorrente de uma política monetária expansionista, ou seja, do excesso de moeda injetado na economia.

Portanto, o primeiro ponto que merece destaque é a pressão inflacionária que surgiu devido à perda de valor da moeda nacional.

Além disso, a desvalorização da moeda acarretou na falência de muitas empresas e investidores.

Ora, tomemos como exemplo algumas empresas que possuíam dívidas em moeda estrangeira. Neste caso, uma desvalorização da moeda nacional ocasionou o aumento do valor da dívida dessas empresas.

O segundo ponto que merece destaque é o fato de grande parte dos investimentos não terem sido direcionados aos fins pretendidos pelo programa, dada a falta de fiscalização e fácil acesso ao crédito.

O encilhamento, tido como uma proposta que visava modernizar os sistema financeiro brasileiro e dar o primeiro passo no que tange ao processo de industrialização, não passou de um fracasso.

Tal fracasso levou o Brasil a uma das mais conhecidas e graves crises econômicas de sua história.

Foi apenas no começo do século XX que o Brasil começou a reverter a situação da crise, durante o Governo Campos Sales.

Na ocasião, o atual governo teve que renegociar a dívida externa, havendo uma desaceleração na tentativa de industrialização, além contar com um período de alta no setor agrícola.