Levantamento realizado pela fintech de crédito Pontte aponta que, até abril, quitar dívidas deixou de ser o principal motivo pela procura por empréstimo com garantia de imóvel, também conhecido como home equity.

De janeiro até o mês passado, 35,6% das consultas na plataforma sobre essa modalidade de crédito foram de empreendedores que precisam dos recursos para investir em seus negócios.

Outros 5,3% para abrir seu próprio negócio. No mesmo período do ano passado, a parcela de quem buscava recursos para ampliar suas atividades comerciais foi de 21%.

No sentido contrário, a procura de home equity para quitação de dívidas – que tradicionalmente liderava as necessidades - registrou ligeira queda de 26%, na mesma base de comparação, para 25%.

→ Como Ganhar Dinheiro com Imóveis? Veja os 3 Melhores Fundos Imobiliários para Lucrar todos Meses

Outras razões para a contratação desse tipo de crédito são reformar a casa, imprevistos causados pelo coronavírus e financiamento de estudos. Motivos não especificados são 24,5%.

Ainda que pouco utilizado no Brasil, o crédito com garantia de imóveis vem chamando a atenção por ser uma modalidade mais barata ao tomador, uma vez que o credor considera um menor risco de inadimplência, comparativamente às taxas de juros do crédito pessoal e até do consignado.

→ Como Ganhar Dinheiro com Imóveis? Veja os 3 Melhores Fundos Imobiliários para Lucrar todos Meses

O tomador consegue recursos de até 50% do valor do imóvel e o prazo para pagamento pode ser maior do que outras modalidades de empréstimo.

“Acredito que o crescimento do interesse no crédito para investir nos negócios se dá pela retomada da economia, que esteve em queda após dois anos de pandemia”, avalia Leandro Pasin, presidente da Pontte , que oferece taxas a partir de 0,79% ao mês, mais IPCA.

→ Como Ganhar Dinheiro com Imóveis? Veja os 3 Melhores Fundos Imobiliários para Lucrar todos Meses

Segundo a fintech, a avaliação de crédito não exclui autônomos, pessoas com dificuldade na comprovação de renda ou com restrições.

Para quem tem dificuldades nos pagamentos das parcelas, a empresa oferece carência de até 6 meses, um mês do ano para não pagar a parcela, possibilidade de ajustar o valor ou até pular a parcela no mês mais apertado.

Fonte: Valor Econômico.