Em uma reviravolta na noite de domingo, Elon Musk decidiu que não se juntaria ao conselho do Twitter (TWTR34). Para analistas, isso significa que ele deixou a porta aberta para comprar a empresa.

O CEO do Twitter, Parag Agrawal, fez o anúncio da desistência de Musk apenas cinco dias depois de anunciar com entusiasmo que o CEO da Tesla teria uma cadeira no conselho.

A decisão da pessoa mais rica do mundo parece ter pego de surpresa o Twitter que mantinha o nome de Elon Musk listado no site da empresa como membro de seu conselho de administração nesta manhã.

Para o analista da Wedbush, Dan Ives, o movimento inesperado pode sinalizar uma abordagem mais agressiva de Musk para comprar ações do Twitter.

“Isso agora vai de uma história da Cinderela com Musk se juntando ao conselho do Twitter e mantendo sua participação abaixo de 14,9%, ajudando o Twitter a avançar estrategicamente, para provavelmente uma batalha de ‘Game of Thrones’ entre Musk e o Twitter”, disse Ives ao Business Insider.

Ele acrescentou que há uma "alta probabilidade de que Elon assuma uma postura mais hostil em relação ao Twitter e construa ainda mais sua participação ativa na empresa".

Musk revelou no início de abril que acumulou uma participação de 9,2% no Twitter, tornando-o o maior acionista da empresa.

Juntar-se ao conselho do Twitter o limitaria a comprar 14,9% da empresa, conforme descrito em um documento da Securities and Exchange Commission assinado por Musk.

Como ele não está mais se juntando ao conselho, Musk pode comprar quantas ações do Twitter quiser, o que significa que ele pode tentar adquirir a empresa se assim o desejar.

Também é possível que um assento no conselho tenha restringido a capacidade de Musk de twittar.

Musk é um usuário ativo do Twitter, com mais de 81 milhões de seguidores. 

Mas os tweets de Musk trazem algum risco. Em 2018, ele concordou com um acordo de US$ 20 milhões com a SEC por causa de um tweet infame no qual ele disse que estava pensando em tornar a Tesla privada.

Parte do acordo envolveu Tesla introduzindo "controles e procedimentos adicionais" para supervisionar os tweets de Musk.

Agrawal disse no domingo que o conselho estava "claro sobre os riscos" de nomear Musk. 

Ele acrescentou: "Ter Elon como fiduciário da empresa onde ele, como todos os membros do conselho, tem que agir no melhor interesse da empresa e de todos os nossos acionistas, foi o melhor caminho a seguir."

Como o maior acionista do Twitter fora da empresa, Musk provavelmente terá mais liberdade para pressioná-lo publicamente por mudanças.

"Elon é nosso maior acionista e permaneceremos abertos à sua contribuição", disse Agrawal no domingo.

Fonte: Business Insider