O que significa Efeito Zeigarnkik?

O Efeito Zeigarnkik, em inglês Zeigarnik Effect, é um tipo de viés cognitivo que ocorre frequentemente em nosso dia a dia.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Viés cognitivo se caracteriza quando nosso cérebro toma decisões a partir de ideias e experiências já vividas, excluindo dessa maneira a avaliação dos fatores de forma racional e imparcial.

Ou seja, são atalhos que o cérebro utiliza para tomar decisões mais rápidas, porém levando a falhas na racionalidade e interferências no julgamento.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O Efeito Zeigarnkik é a predisposição que os seres humanos têm de lembrar com mais facilidade das atividades e tarefas incompletas ou em andamento do que das já encerradas.

Como funciona o Efeito Zeigarnkik?

Esse efeito funciona como se o nosso cérebro, diante de todas as informações e tarefas que executamos durante o dia, filtrasse o que ainda não terminamos de fazer.

Como não conseguimos armazenar tamanha quantidade de dados que recebemos todos os dias, o Efeito Zeigarnkik também faz com que esqueçamos daquilo que já foi feito.

Ou seja, o nosso cérebro prioriza as tarefas ainda não realizadas e “descarta” as tarefas já feitas, para que ele possa filtrar com mais facilidade as atividades que devem ser realizadas.

E esse efeito é considerado um viés cognitivo, pois seu erro lógico está no fato de esquecermos as coisas já concluídas. Isso pode nos levar a esquecer de coisas importantes.

Como por exemplo, quando:

  • Estudamos incansavelmente para uma prova e logo após sua finalização esquecemos daquilo que estudamos;
  • Lembramos de algum número de telefone, pois precisamos dele no momento, e quando conseguimos o que queríamos nos esquecemos do número;
  • Temos algo importante para falar em uma reunião, como uma ideia, e assim que falamos, a esquecemos;
  • Lemos um livro e dias depois não lembramos da história.

Dessa forma, corremos o risco de descartar coisas que importam para, por exemplo, a realização de outra tarefa futura.

Um exemplo disso se aplica em matérias da graduação, onde normalmente, uma matéria complementa a outra:

Se você estuda para a prova de Economia Monetária, por exemplo, e assim que acaba a prova, esquece-se do conteúdo, pode correr o risco de ter dificuldades de aprender outra matéria.

Um exemplo que complementa o anterior pode-se relacionar a outra prova, agora de Economia Brasileira, onde se usa bastante conhecimento que é adquirido na matéria de Economia Monetária.

O nome desse efeito se refere à psicóloga, Bluma Zeigarnkik, que determinou tal teoria.

Essa teoria evidenciava que as pessoas, independentemente de suas idades, costumam lembrar mais das tarefas que praticavam com frequência e aquelas que ainda não tinham sido terminadas.

Em seus estudos, Bluma notou que os garçons normalmente conseguiam se lembrar melhor dos pedidos que ainda não tinham sido servidos.

Deste modo, quando os pedidos eram entregues aos clientes, os garçons tinham dificuldade de lembrá-los.

Isto é, assim que os garçons terminavam sua tarefa de levar o pedido até a mesa, eles esqueceram dos pedidos feitos, pois davam sua tarefa como completa.

Como driblar o Efeito Zeigarnkik?

Em seus estudos, Bluma enfatizou que as tarefas que eram realizadas com mais frequências eram mais fáceis de serem lembradas.

Sendo assim, para minimizarmos o Efeito Zeigarnkik, tendo em vista que o mesmo não tenha um impacto tão negativo em nossa rotina, devemos focar nos tópicos realmente importantes.

Dessa forma, para que informações relevantes permaneçam frescas em nossa mente, precisamos exercitá-las, assim como fazemos para aprender matemática, por exemplo.

Para que as fórmulas e métodos das contas “fixem” em nossa memória, temos que estar constantemente fazendo os exercícios.

Então, é necessário nos expormos à informação e praticá-la.

Após ler um livro importante e necessário é sempre eficaz fazer um resumo ou anotações das coisas mais relevantes, que te chamaram mais atenção.

Assim, você convence o cérebro de que aquilo é um conhecimento importante e que deve ser lembrado facilmente.

Outra forma seria montar um planejamento com todos os passos necessários para concluir a tarefa, com intuito de que o cérebro tenha a sensação de que a tarefa não foi concluída.