O que é o Efeito Peltzman?

Este efeito, também conhecido como compensação de risco, diz respeito a um fenômeno psicológico em que o ser humano, devido aos maiores riscos, tende a se tornar mais cuidadoso.

Esse fenômeno também é válido para o sentido oposto, ou seja, as pessoas diminuem seus cuidados quando se deparam com situações cujo risco é menor.

Portanto, a própria denominação (compensação de risco) já ajuda a entendermos a ideia por trás desse efeito. Ou seja, de acordo com o grau de risco, as pessoas vão ajustando seus comportamentos.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O termo se originou por meio das teorias do economista Sam Peltzman, professor emérito da Booth School of Business da Universidade de Chicago.

Por meio de seu estudo, Peltzman teve grande contribuição sobre a análise do comportamento econômico no dia a dia, no que tange a relação economia e administração pública.

A compensação de risco, ou efeito Peltzman pode ser relacionada com o conceito de adaptação comportamental, onde, em resposta a medidas de segurança, ocorrem alterações no comportamento.

Portanto, podemos dizer que os seres humanos têm a tendência de mudar o comportamento conforme aumenta ou diminui o risco.

Dessa forma a imprudência aumenta com a queda do riso e, por outro lado, o ser humano toma atitudes mais prudentes quando deparado com riscos maiores.

Um exemplo prático é o caso dos motoristas que dirigem mais rápido quando estão em rodovias de mão dupla e mais seguras, até mesmo extrapolando o limite de velocidade.

Esse motorista age de forma mais imprudente do que um motorista que dirige em uma rodovia de mão simples, com muitos buracos e, consequentemente, com maiores riscos, por exemplo.

É essa a percepção que se dá entre prudência e percepção de risco, que nos faz analisar onde nos sentimos seguros ou menos seguros, fatos que estão relacionados às questões emocionais.

Vale dizer que o efeito Peltzman está atrelado a nossa mente e não tanto ao nosso corpo, de fato como um viés cognitivo.

O Efeito Peltzman no mundo das finanças?

É no mesmo cenário do exemplo do motorista dirigindo na rodovia, que descrevemos acima, que iniciaremos nossa análise nesse tópico, porém, apresentando como esse efeito interfere em nossas vidas financeiras.

Ou seja, quando se trata de dinheiro, o efeito também está presente em nossas escolhas.

Por exemplo:

Um investidor tende a dedicar mais tempo estudando os investimentos que julga serem mais arriscados, como, por exemplo, a renda variável, na comparação a outros investimentos mais seguros.

Tal fato faz com que essa atitude possa se tornar em uma estratégia falha, mitigando seus lucros, mesmo não gerando grandes prejuízos.

Ou seja, o fato de se dedicar mais no estudo aos investimentos de maiores riscos, deixando um pouco de lado investimentos de riscos menores pode não ser a melhor estratégia.

Como já foi dito, nós, seres humanos, adaptamos nossos comportamentos de acordo com o grau de riscos que iremos enfrentar. Mas como mensuramos esse risco?

Essa questão é muito importante e deve ser levada em consideração, principalmente quando se trata de nossos investimentos.

Veja bem, ao analisarmos como estamos determinando os riscos, devemos levar em consideração se estamos agindo racionalmente ou na pura emoção, pois a emoção é capaz, em muitos casos, de distorcer a realidade.

O Efeito Peltzman é um viés cognitivo?

Primeiramente, devemos dizer que o viés cognitivo é um erro sistemático que ocorre em situações particulares, ou seja, uma distorção do pensamento quando as pessoas interpretam informações capazes de afetarem suas decisões.

Nem sempre todas as decisões tomadas pelas pessoas são verídicas, podem apenas aparentarem ser. Tal fato, faz com que as pessoas falham em perceber os próprios erros e corrigi-los.

Para ser mais exato, muitas vezes uma tomada de decisão apenas aparenta ser correta, o que torna mais difícil para as pessoas reconhecerem o erro.

Existem inúmeros tipos de vieses, e a compensação de risco (efeito Peltzman) entra na lista por conta da falta de prudência dos seres humanos diante dos menores riscos, podendo ocasionar grandes danos.