O que é o Efeito Google?

O efeito Google, também conhecido como efeito amnésia, retrata a tendência que as pessoas têm em não se lembrar de informações que podem facilmente serem encontradas na internet.

Esse efeito relata a tendência das pessoas em terem mais dificuldades de reter as informações que podem facilmente ser encontradas online.

Os primeiros estudos sobre esse efeito relataram que há uma menor possibilidade das pessoas memorizarem informações que acreditam estar acessíveis em mecanismos de busca.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Contudo, o estudo também mostrou que as pessoas continuam tendo a mesma capacidade de aprender informações que não se encontram nos mecanismos de buscas, ou, off-line.

Vale lembrar que, embora o nome faça uma alusão à empresa de serviços online (Google), o fenômeno não se restringe apenas a ela, mesmo sua plataforma recebendo um enorme número de visitas diárias.

O fenômeno desse efeito se estende para todos os concorrentes do Google, e ao fácil acesso de uma enormidade de dados que a evolução tecnológica nos propiciou.

Podemos, portanto, dizer que o efeito Google é a forma em que o nosso cérebro processa e memoriza as informações mais relevantes e que não têm tanta importância.

Vale pontuar que esse processo sempre existiu, mesmo antes de começarmos a acessar as informações nas plataformas online.

Contudo, conforme a tecnologia se torna presente em nossas vidas, adquirindo grande importância em nossas atividades, ela passa a moldar este fenômeno de acordo com suas próprias características.

O nosso cérebro é extremamente sensível a esses moldes, ainda mais a nós brasileiros, que temos o posto de segundo país que mais tempo passa conectado.

Segundo estudos, o brasileiro passa, em média, mais de nove horas conectado, ou seja, estamos muito expostos aos moldes do efeito Google, que pode ser para o bem ou para o mal.

Como surgiu o Efeito Google?

O Efeito Google começou a ser estudado com mais frequência, recebendo essa denominação por volta do início dos anos 2010.

Esse fato ocorreu, muito por conta da maior facilidade de busca por informações, que se deu a partir do momento que os smartphones entraram de vez em nossas vidas.

Hoje, qualquer informação que precisamos, seja a previsão do tempo, qual a receita para fazer um bolo, ou, até mesmo, informações sobre investimentos, podemos encontrar em poucos segundos, acessando nossos smartphones.

O fenômeno desse efeito foi descrito pela primeira vez em 2011, por: Betsy Sparrow (Columbia); Daniel M. Wegner (Harvard); e Jenny Liu (Wisconsin).

O estudo concluiu que as pessoas, quando questionadas sobre conhecimentos gerais, são preparadas para pensarem em computadores, e que não se lembram de informações que são de fácil acesso para consultas.

Por fim, o estudo também concluiu que  as pessoas têm maior facilidade de se lembrarem, quando as informações forem salvas, onde elas estão localizadas ao invés da própria informação em si.

O Efeito Google no nosso dia a dia

O efeito Google não se caracteriza como algo isolado, ele retrata modificações nos processos de nossas mentes, ou melhor, de nossa memória, devido a influências físicas.

Diante da grande exposição de estímulos que recebemos diariamente, necessitamos definir padrões para nossa atenção, filtrando o que devemos guardar e rejeitando o que não é relevante, para não sobrecarregar nossa mente.

Tal fato faz com que sempre deixemos passar alguma informação a cada momento de nossos dias.

Ora, muitas vezes já nos deparamos em um momento de estudo, com extrema concentração, onde nada ao redor é percebido.

Pois bem, nesse caso, várias informações passam despercebidas em nosso cotidiano, como por exemplo, o barulho do carro anunciando a propaganda de uma loja, ou uma mensagem que chega em nosso celular.

É assim que nossa memória funciona, fixando os eventos mais marcantes do dia a dia, e cortando os mais comuns, como é o caso do carro de som tido como exemplo anterior.

Pois bem, são nesses momentos que o efeito Google entra está presente em nossas vidas, quando nosso cérebro percebe que não é necessário reter aquela informação, pois é fácil resgatá-la em outro momento.

Terminaremos este artigo com uma importante questão para todos nós, que de alguma forma somos atingidos por esse efeito, inclusive os investidores.

Ainda somos capazes de tomarmos boas decisões sem os meios que nos facilitam o acesso às informações? Vale refletir!