O que é o Efeito do Falso Consenso?

Este efeito refere-se a um tipo de viés cognitivo em que os seres humanos têm a tendência mental de acreditar que nossas crenças e opiniões são, ou deveriam ser consideradas normais.

Na psicologia, esse viés é uma espécie de atribuição em que as pessoas tendem a superestimar seus hábitos/opiniões como normais, entendendo que as outras pessoas pensam da mesma forma.

Portanto, o efeito do falso consenso, ou false consensus effect, como é denominado em inglês, é a tendência de que as pessoas têm de projetar as outras pessoas a sua maneira de pensar.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Dito isto, é importante frisar que estatisticamente essa correlação não é correta, o que leva as pessoas a terem uma perspicácia que não existe.

Esse viés está mais presente em um ambiente de grupo, onde um grupo passa a acreditar que a opinião de todo o resto da população é a mesma que a sua.

A força desse viés pode estar relacionada à forma de tomar decisões com poucas informações, ou conhecimento.

Ora, alguma vez na vida você já deve ter falado ao cometer algum erro: “todo mundo teria feito a mesma coisa”, ou, “qualquer pessoa no meu lugar teria feito igual”.

Esse é um clássico exemplo do efeito falso consenso, onde um indivíduo deduz que todas as pessoas teriam a mesma opinião, ou agiriam como ele.

Ou seja, nós, como seres humanos, temos certa propensão a acreditar que as outras pessoas enxergam o mundo da mesma maneira que nós enxergamos.

Como já deu pra perceber, o efeito do falso consenso é um viés que está frequentemente presente no nosso cotidiano.

Portanto, veremos na sequência como esse efeito surgiu e como ele interfere no nosso dia a dia.

Como surgiu esse Efeito?

A realização do primeiro experimento sobre o efeito do falso consenso em 1977.

Nesse experimento, um grupo de jovens estudantes voluntários respondeu três questões após ser descrito a eles uma situação de conflito envolvendo um dilema

Depois de lerem uma série de textos responderam às seguintes perguntas:

  • Qual opção a pessoa envolvida no conflito escolheria?
  • Que opção ele próprio escolheria?
  • Quais são as características da pessoa que escolhe uma opção ou outra?

Após análise das respostas, verificou-se que a grande parte dos candidatos respondeu da mesma forma a primeira e a segunda questão.

Isso evidencia que, a grande parte dos alunos acreditava que as pessoas envolvidas teriam as mesmas escolhas que eles.

Já com relação à terceira pergunta, os alunos responderam denegrindo quem escolheria a opção que eles não teriam escolhido.

Este efeito não tem apenas a característica de nos fazer pensar que a grande maioria das pessoas age como nós, mas também, de julgar baseado neste propósito.

Por entendermos que a nossa maneira de pensar é “normal”, julgamos as pessoas que pensam diferentes como quem está desviando do normal, ou cometendo algum erro na sua forma de pensar.

Esse conceito está muito ligado à falta de empatia do ser humano.

Ou seja, nós estamos tão vidrados em nossa própria maneira de pensar que se torna difícil entender e enxergar as diferentes realidades de outras pessoas.

Portanto enxergamos o mundo das outras pessoas como uma extensão do nosso.

Como o Efeito do Falso Consenso está presente no cotidiano?

Se pararmos para pensar, podemos encontrar vários casos em que o efeito do falso consenso esteve presente em nosso dia a dia, nas mais diversas questões do nosso cotidiano.

Isso acontece nas preferências gastronômicas. Ora, como assim uma pessoa prefere ovo com gema mole a gema dura?

Também acontece nas preferências por estilos de filme. Como é possível alguém gostar desses filmes de comédia? Suspense é bem melhor!

Nós podemos passar horas e horas discutindo esses tipos de assunto, fazendo essas afirmações, mas, a verdade, é que ninguém irá mudar seu gosto por filmes ou gastronômico através de nossos argumentos.

E por que continuamos tentando convencer as pessoas a pensarem como nós? Por que continuamos entrando nesse tipo de discussão?

Simplesmente porque nossa tendência, como seres humanos, é de acreditar que nosso mundo é completamente racional, e que as atitudes das outras pessoas são irracionais.