Parece que o jogo virou.

Todo início é um novo fim. Todo fim é um novo início.

E parece que temos evidências fortes o bastante para o fim do ciclo de alta da bolsa de valores americana.

Junto com isso, parece que agora estamos no início de um ciclo estrutural de alta das bolsas de mercados emergentes.

Se fosse apenas eu falando, você até poderia dizer que eu estou louco.

Mas são gestores não só locais, como também os gringos que estão falando nisso.

Credit Suisse e Morgan Stanley já projetam uma forte virada de mão nos portfólios globais.

E, se agora vai se vender ativo que é caro, é porque é hora de comprar o que é barato.

De maneira global, há um consenso sobre o que está barato: os mercados emergentes.

Entenda-se isso por países de economias não avançadas, com uma via de crescimento um tanto quanto maior a ser cumprida.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

O Brasil está entre eles. E o Brasil é um dos maiores deles. E mais… Brasil é um dos mercados emergentes mais baratos do mundo hoje em dia.

Depois de ter sido a bolsa com pior desempenho do mundo em 2021, o Brasil agora volta para os holofotes dos investidores globais não pelas suas virtudes, não sejamos ingênuos. 

No fim das contas, tudo é uma questão de preço.

O Brasil pode não ser bom, mas é barato demais frente a seus potenciais.

E isso já é o bastante para justificar a alocação de capital nos ativos de risco domésticos.

Se fossemos comprar apenas o que é bom, não haveria porque não concentrarmos os nossos portfólios nas big techs norte-americanas e esquecer do resto.

Afinal, se fosse só comprar o bom pelo bom, a vida seria mais fácil.

A grande questão é: o dinheiro já está saindo da bolsa americana e das criptomoedas.

Aproveito aqui para alertar um ponto de atenção para quem tem muita alocação em cripto: esse tipo de ativo nunca atravessou um cenário de aperto monetário.

Se o dinheiro sai de algum lugar, ele não some. Ele vai para outro lugar.

Se afastando um pouco daquilo que está debaixo do nosso nariz e olhando tudo de maneira mais global, Brasil parece ser a grande bola da vez.

Se não vivemos no país dos sonhos, podemos dizer que as nossas instituições, mesmo com muitas falhas, nos afastam dos piores pesadelos.

A bolsa de valores vai para onde for o lucro das empresas.

O lucro das empresas se expande nos ciclos de alta e se deterioram nos ciclos de baixa.

O Brasil tem muita capacidade instalada ociosa e muita mão-de-obra sem renda.

Ainda estamos na fase de baixa do ciclo.

Qualquer melhora por aqui é o bastante para entrarmos em um ciclo virtuoso.

O simples ciclo favorável para as commodities brasileiras já pode ser o bastante para desencadear esse ciclo.

E as questões políticas, por piores que possam ser os seus desdobramentos, não vão oferecer um vento contrário forte o bastante para impedir um ciclo virtuoso.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

Vamos criar um modelo mental simples onde uma coisa vai levando a outra…

Com o aumento de exportação de commodities, mais dólares entrando no Brasil, a cotação do dólar é pressionada para baixo.

Isso influencia para diminuição da inflação, o que permite menos juros, isso gera mais investimentos, que geram mais empregos, que geram mais renda, que gera mais consumo, o que gera mais impostos recolhidos pelo governo.

O que também melhoraria no resultado fiscal e isso vai permitir juros ainda menores e assim por diante.

É certo que veremos isso?

Obviamente não. Essa é uma pequena simplificação da realidade, como disse.

Mas se voltarmos para o período de 2002 a 2008, não há nada de muito diferente.

Não havia nada de mágico ali. 

Foi o suficiente para a bolsa se multiplicar por 21 vezes em dólar.

Ao meu ver, o ciclo virou e é a hora da bolsa brasileira virar moda no mundo.

E estamos aqui para ajudar você a escolher os melhores ativos.