O que é Drawdown?

Drawdown significa rebaixamento em inglês. Geralmente o termo Drawdown pode ser utilizado em análise de ativos, quando é avaliado até onde o investimento pode cair.

Por exemplo: uma ação que possui dentro de um período de tempo o valor mais alto em R$ 100,00 e o valor de R$ 50,00 como o mais baixo, tem um Drawdown de 50%.

A fórmula para encontrar o Drawdown, é:

  • Máximo Drawdown = Maior Máxima – Menor Mínima/ Maior Máxima
  • Máximo Drawdown = 100-50/100
  • Máximo Drawdown = 50%

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Drawdown na Prática

Vamos supor que o investidor está avaliando uma ação dentro do período de 12 meses. Dentro desse período a ação AAA registrou o valor mais alto de R$ 50,00 e o menor valor em R$ 20,00.

Isso significa que a ação apresentou uma volatilidade máxima em torno dos R$ 30,00. Ao aplicar a fórmula do Drawdown, nós alcançamos o seguinte resultado:

  • Máximo Drawdown = 50-20/50
  • Máximo Drawdown = 60%

Assim, a ação sobre efeitos normais do mercado, pode variar em até 60% o seu valor dentro de 12 meses.

Desse modo, o investidor pode considerar a aplicação em um momento onde a ação já está em queda.

Uma queda de 40%, já pode ser um indicativo que a ação pode se valorizar dentro de 12 meses, recuperando o patamar máximo.

Se a ação está em alta e o valor está próximo do ponto mais alto dentro dos 12 meses, então a aplicação pode ser um mau negócio, por exemplo.

Desvantagens do Drawdown

O Drawdown não pode ser aplicado de forma única em uma análise. Se o investidor ponderar seu investimento em somente o Drawdown, a compra pode não sair e o investidor pode perder um bom lucro.

Por exemplo: casos como a Apple (APPL34) ou Magazine Luiza (MGLU3), por tempos registraram valorização recorrente.

Isso significa que em 12 meses ou mais, a ação de ambas as empresas só subiu, ou registrava depreciações pontuais, sem haver perdas relevantes para sugerir um ponto de baixa.

Ao perceber isso,  o melhor a se fazer é avaliar o ativo observando outros indicadores além de características fundamentalistas.

O Drawdown pode influenciar de forma negativa o investimento, uma vez que a ação, pode sim cair mais do que o seu limite.

Por exemplo: uma ação que possui um Drawdown de 20% em 12 meses pode ao longo dos próximos 12 meses cair mais do que os 20%.

Ou seja, o investidor compra ação na esperança que ela possa recuperar 10%, mas vê ela ceder mais 20%, caindo 40% no total.

A partir daí o acionista já não tem mais parâmetros e não consegue mais determinar se a ação vai recuperar ou não.

Olhando todos esses pontos, fica evidente que o Drawdown por si só não consegue entregar uma análise robusta suficiente para  determinar a tomada de decisão.

Período do Drawdown

Ao optar pela análise observando o Drawdown da ação em questão, o investidor precisa definir bem o período que será avaliado.

Quando o período é longo os parâmetros podem acabar se tornando traiçoeiros. Isso ocorre porque em períodos longos muita coisa pode acontecer.

Mesmo coletando os dados do ponto máximo da ação e do seu ponto mínimo, ainda sim, qualquer tipo de oscilação econômica pode jogar os resultados e o desempenho da ação para baixo e aumentar ainda mais a queda.

Ou, se o investidor está na expectativa de conseguir entrar na queda, a ação pode simplesmente se valorizar muito.

Por isso, o Drawdown é mais interessante para períodos mais curtos.