O que é DFP?

A DFP (Demonstrações Financeiras Padronizadas) é uma série de documentos contábeis que as empresas de capital aberto são obrigadas a entregar para CVM (Comissão de Valores Mobiliários) com o intuito de divulgar ao público os números da empresa.

Querendo ou não, os investidores e acionistas das empresas de capital aberto se utilizam de relatórios contábeis, como o Balanço e a DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) para tomar suas decisões.

Desse modo, a DFP é algo de relevância para o mercado.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

DFP na Prática

A DFP tem o seu preenchimento eletrônico, sendo que as companhias de capital aberto precisam entregar a demonstração em até três meses após o encerramento do exercício social.

Vale destacar que se a empresa entregar os documentos contábeis, como o Balanço e DRE antes dos três meses, deve entregar a DFP junto.

Empresas estrangeiras devem respeitar os três meses após o encerramento do exercício social, porém, de acordo com o fim do exercício social de cada país.

Por exemplo: não são todos os países que utilizam a data de 31/12, como o fim do exercício social.

Dentro da DFP a empresa deve enviar também uma série de documentos contábeis, como:

  • Notas Explicativas;
  • Balanço Patrimonial;
  • DRE;
  • Documentos referentes a auditores;
  • E demais documentos complementares.

Relevância da DFP

Como estamos tratando de empresas de capital aberto, a entrega da DFP juntamente com documentos contábeis como o Balanço Patrimonial e a DRE é relevante para todo o mercado.

Muitos investidores esperam esses documentos para poderem fazer a tomada de decisão, se vão ou não investir.

Ou mesmo se haverá a manutenção da posição em determinada ação ou não. Como já mencionado, além da própria declaração eletrônica, dentro da DFP existe uma série de relatórios contábeis.

Maiorias dos indicadores econômicos de uma empresa são elaboradas em cima dos números que saem desses relatórios.

Inclusive casas de Research e demais analistas aguardam ansiosos por tais documentos para conseguir determinar qual será a estratégia de investimento.

Observando isso, a DFP tem sim sua importância no contexto econômico e financeiro, tanto para os investidores quanto para o país em si.

DFP e Segurança

Empresas de capital aberto precisam gerar mais segurança aos investidores. Além da segurança que o investimento está sendo feito em uma empresa correta, é preciso ter conhecimento dos números que a companhia vem gerando.

Um balanço mal padronizado de difícil compreensão e com números errados, não pode ser entregue ao público e pode gerar desconfiança no mercado.

Mesmo que uma empresa cometa algum erro, o mercado como um todo ficará com receio da bolsa em si, ou até dos órgãos reguladores do mercado.

Observando isso, todas as regras impostos pela CVM e demais órgãos são importantes e devem ser cumpridas à risca.

O intuito disso tudo é gerar mais segurança, estabilidade e confiabilidade perante o mercado e aos investidores.

Exigências quanto tempo mínimo para entrega, forma e qualidade dos relatórios são o mínimo que cada empresa de capital aberto deve se atentar.

Vale destacar que não são todas as empresas brasileiras ou estrangeiras que são obrigadas a entregar a DFP, mas sim aquelas que possuem o capital aberto.

Ao abrir o capital na bolsa de valores, tais empresas recebem valores estratosféricos, uma vez que agora haverá vários sócios dentro da companhia.

Essa entrada de sócios traz muitos recursos para a companhia e inclusive para os sócios, dependendo de quais são os objetivos com o IPO (Oferta Pública Inicial).

Considerando que a empresa quando pública se torna do interesse de “todos”, a DFP é algo coerente.