O que é déficit de empresas?

Déficit de empresas significa que as despesas da mesma superam suas receitas, deixando o orçamento no negativo. 

Basicamente, o déficit é um termo financeiro que pode ser aplicado para vários temas econômicos e contábeis. 

Um déficit se refere a casos em que:

  1. as despesas excedem as receitas; 
  2. as importações excedem as exportações;
  3. os passivos excedem os ativos. 

No geral, um déficit é sinônimo de perda, enquanto que a situação oposta, ou seja, um ganho, é chamado de superávit. Assim sendo, quando não há um déficit se diz que ocorreu um superávit.

Um déficit pode ocorrer quando um governo, empresa ou pessoa gasta mais do que recebe em um determinado período.

Aqui veremos como o conceito de déficit é aplicado para o contexto das empresas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o déficit de empresas?

Em termos de contabilidade, dizemos que uma empresa apresenta um déficit, ou seja, ela é deficitária, quando o valor dos seus passivos é superior ao valor dos ativos

Já no caso de uma empresa ser superavitária, temos que os ativos são superiores aos passivos.

Quando uma empresa apresenta constantes déficits na sua contabilidade é sinal de que há um desequilíbrio financeiro entre receitas e despesas.

Esse desequilíbrio pode ser causado por uma série de fatores, e que devem ser identificados o quanto antes para que isso não se torne um problema ainda maior.

Isso porque, uma empresa que apresenta constantes déficits estará fadada ao fracasso, visto que esta é uma situação insustentável.

Uma companhia que sofre com déficits contínuos é sinal de que não está conseguindo receitas suficientes para pagar seus custos de produção

Neste caso, cedo ou tarde terá que recorrer a dívidas para fechar as contas. 

Se o déficit não for rapidamente convertido em superávit, a empresa dificilmente conseguirá permanecer operando.

Caso o déficit permaneça e o nível de endividamento cresça muito, a empresa não terá como pagar seus financiamentos, pois sempre precisará de incorrer em mais dívidas.

Isso implicará em uma situação insustentável, que a levará a fechar as portas uma hora ou outra.

Entretanto, é normal que empresas sadias incorram em déficits em alguns momentos.

Isso pode ser resultado de algum investimento que não pode ser feito apenas com o resultado advindo dos seus lucros, ou também em períodos de crise econômica, em que a demanda cai por um certo tempo.

Neste caso, o déficit pode não ser preocupante pois há a expectativa de uma retomada da normalidade dos negócios, trazendo de volta a condução de superávit nas contas da empresa.

O que faz uma empresa ter déficit?

Geralmente, há uma infinidade de fatores que podem estar relacionados ao déficit de uma empresa.

A principal causa dos déficits costuma ser atribuída à má administração dos recursos. Empresas que têm uma gestão despreparada costuma apresentar problemas como:

  • Processos ineficientes;
  • Desperdício de recursos;
  • Erros de precificação do produto;
  • Canais de venda precários;
  • Dificuldade no trato com os clientes;
  • Mau planejamento do tamanho da empresa frente à produção demandada;
  • Conflito na gestão de pessoas;
  • Mau planejamento dos investimentos;
  • Erros de negociação com os fornecedores;
  • Entre outras coisas mais.

Inclusive, a má gestão da empresa pode levar a déficits mesmo que a companhia esteja em processo de crescimento.

Neste caso, por exemplo, é muito comum ocorrer a retirada de dinheiro por parte dos sócios ser muito mais elevada do que o permitido para manter a sustentabilidade financeira da empresa.

Isso ocorre quando há uma euforia dos sócios com o crescimento da empresa, e com isso, a crença de que o futuro será constantemente de sucesso.

Entretanto, nem sempre os déficits são resultados de má gestão. É muito comum empresas sofrerem choques externos que são difíceis de serem acomodados. 

Exemplos comuns disso são:

  • Mudanças abruptas e inesperadas nos preços dos insumos (sem a possibilidade de repasse para os consumidores);
  • Crises econômicas;
  • Mudanças de legislação, que podem exigir gastos com adequação da produção;
  • Aumento da competição no mercado;
  • Mudanças no comportamento dos consumidores, levando à queda nas vendas;
  • Entre outras coisas mais.

Ou seja, o mundo dos negócios é tão dinâmico que apenas uma boa gestão não é suficiente para que uma empresa esteja livre dos déficits.

É sempre bom ter em mente que, além da boa gestão dos recursos, é necessário ter sempre em mãos um planejamento alternativo para os casos de imprevistos que possam ocorrer.