O que é Defesa Pac-Man?

Defesa Pac-Man é uma tática defensiva usada no meio corporativo por uma empresa que é alvo de uma situação de aquisição hostil . 

Em uma defesa do Pac-Man, a empresa-alvo busca dar um "contra ataque" ao tentar adquirir a empresa que fez uma tentativa hostil de aquisição. 

Na tentativa de assustar os compradores em potencial, o alvo da aquisição pode usar qualquer método para adquirir a outra empresa, como comprar uma participação majoritária na outra empresa.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona a Defesa Pac-Man?

A referida estratégia faz uma analogia com o jogo de videogame Pac-Man, no qual o jogador controla um personagem que tem como objetivo comer várias bolinhas que aparecem na tela.

Para dificultar, há vários inimigos, em forma de fantasmas, que perseguem o personagem Pac-Man. 

Se os fantasmas alcançarem o jogador antes de cumprir seu objetivo ele perderá a partida.

Entretanto, se o jogador comer uma bolinha grande, ele ganha o poder de comer os fantasmas por um determinado período de tempo. É como se fosse um contra ataque.

Dessa forma, as empresas podem usar uma abordagem semelhante como meio de evitar uma aquisição hostil.

Assim, a Defesa Pac-Man é nada mais do que uma reviravolta na mesa de jogo sobre o adquirente, através da montagem de oferta para assumir o invasor. 

Nesse “jogo”, temos que a empresa adquirente começa iniciar um processo de compras em grande escala das ações da empresa-alvo para obter o seu controle. 

Como contra estratégia, a empresa-alvo pode começar a recomprar suas ações e a comprar ações da empresa adquirente.

Lógico que para isso dar certo é preciso que a empresa-alvo tenha caixa e capacidade de financiamento suficientes para conseguir os recursos necessários para montar a defesa Pac-man.

O que é uma aquisição hostil?

Uma aquisição hostil é a aquisição de uma empresa (chamada de empresa-alvo) por outra empresa (empresa adquirente) que é feita através da compra direta de ações dos acionistas da empresa.

Outra forma de aquisição hostil é quando a empresa adquirente tenta interferir na administração da empresa-alvo para que haja a aprovação do processo de aquisição. 

A principal característica de uma aquisição hostil é que a administração da empresa-alvo não quer que o negócio seja concretizado. 

Geralmente esse tipo de aquisição é utilizado para tirar uma empresa concorrente do mercado, ou fazer com que suas atividades se tornem submissas aos desejos da empresa adquirente.

Isso costuma gerar perdas do tamanho e da relevância da empresa-alvo, gerando deterioração dos ganhos financeiros, demissões de funcionários e prejuízo para os acionistas que permanecerem no negócio.

Assim, a defesa Pac-Man se configura como uma das principais estratégias voltadas para tentar conter esse processo de aquisição hostil.

Exemplos de defesa Pac-Man

Os principais exemplos desse tipo de manobra estratégica são verificados no mercado corporativo dos EUA.

Em 1982, a Bendix Corp. tentou adquirir Martin Marietta (empresa fornecedora de materiais de construção) comprando o controle de suas ações. Bendix se tornou o dono da empresa no papel.

No entanto, a administração de Martin Marietta retaliou, vendendo suas divisões de produtos químicos, cimento e alumínio e tomando emprestado mais de US$1 bilhão para impedir a aquisição. 

O conflito resultou na aquisição da Bendix pela Allied Corp.

Outro caso ocorreu em fevereiro de 1988, quando se teve uma luta de aquisição de um mês que começou quando a E-II Holdings Inc. fez uma oferta pela American Brands Inc.

Como resultado tem-se que a American Brands comprou a E-II Holdings Inc. por US$2,7 bilhões. 

A American Brands financiou a fusão por meio de linhas de crédito existentes e uma emissão de títulos privados que foram colocados no mercado.