O que é custo de transação?

Custo de transação é um conceito teórico que teve origem com os trabalhos do economista Ronald Coase (1910 - 2013).

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Os custos de transação são os custos totais relacionados para se realizar uma transação. 

Por ser um conceito bem abrangente e, muitas vezes, abstrato, é um custo que não aparece na contabilidade.

Isso porque abrange tanto coisas mensuráveis, como custos trabalhistas e burocráticos, quanto imensuráveis, como a incerteza, barreiras culturais e conhecimento.

Na teoria de Coase, os custos de transações são um dos principais determinantes da forma de organização das empresas produtoras de bens ou serviços.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Teoria dos custos de transações

Um dos pontos de debate presentes na teoria dos custos de transação diz respeito às razões que levam as empresas a produzir seus próprios bens e serviços ou optar por sua terceirização.

Aqui temos que o que definirá a escolha entre produzir internamente ou comprar no mercado será definido pela estrutura de custos de transação.

Ao optar por produzir internamente a empresa terá que arcar não apenas com os custos de produção em si, mas também com vários outros custos implícitos, como:

  • Busca de conhecimento;
  • Treinamento de funcionários;
  • Realização de contratos de trabalho;
  • Planejamento da produção;
  • Garantia de volume mínimo de produção;
  • Incerteza quanto aos fornecedores;
  • Incerteza quanto às vendas;
  • Entre várias outras coisas mais.

Dessa forma, a depender do tamanho destes entraves, a empresa poderá optar por comprar os produtos e serviços que necessita de empresas terceirizadas.

Um outro economista, chamado Oliver Williamson, avançou bastante sobre a teoria dos custos de transação de Coase.

Uma de suas contribuições diz respeito aos fatores que afetam os custos de transação.

O primeiro fator que este autor levanta é a racionalidade limitada dos seres humanos. 

Este fator gera a possibilidade de que os contratos não consigam abarcar todas as possibilidades possíveis, abrindo margem para que haja comportamentos oportunistas por parte de uma das partes. 

Outro fator que impacta os custos de transação é a dificuldade em conhecer integralmente o ambiente em que se dão as transações, o que dificulta o alcance da maximização dos processos.

Para inibir estes fatores, ou seja, a incerteza, a racionalidade limitada e o oportunismo, é preciso recorrer à burocracia.

Essa burocracia irá gerar custos de transação, que, por sua vez, influenciará na organização produtiva das firmas e no seu nível de eficiência. 

O que determina o custo de transação?

Ao aprofundar um pouco mais na teoria dos custos de transação, temos, mais especificamente, quatro fatores fundamentais que ditam o tamanho dos custos de transação:

  1. O número de fornecedores potenciais;
  2. A especificidade de ativos dedicados à transação;
  3. O nível geral de incerteza em torno da transação;
  4. A frequência com a qual as transações ocorrem.

Vejamos um pouco sobre cada ponto.

Número de fornecedores

Se há poucos fornecedores potencialmente capazes de fornecer determinado item, a tendência de haver comportamento oportunista do fornecedor é maior. 

Quanto menor o número de fornecedores potenciais, mais os mercados fornecedores com que se transaciona se aproximam da condição de monopólio.

Assim, temos que quanto menor o número de fornecedores mais uma empresa estará sujeita a ações oportunistas, o que aumenta o custo de transação.

Especificidade de ativos

Ativos são específicos a uma transação quando são altamente especializados e, portanto, têm pouco ou nenhum uso geral fora da específica relação entre fornecedor e cliente.

Uma empresa que vende bens de capital para uma petrolífera dificilmente conseguirá se restabelecer no mercado se romper o contrato com sua compradora.

Esse risco gera um custo de transação que deve ser colocado em contrato para que seja garantida a vida da empresa.

Um outro exemplo de custo de transação envolvendo ativos específicos é uma decisão de trocar o fornecedor de algum insumo.

Isso poderia exigir várias modificações na estrutura da empresa como a troca de maquinários, treinamento de pessoal, alteração na logística, etc.

O entendimento desse custo elevado de troca pode levar a um comportamento oportunista por parte do fornecedor. 

Portanto, quanto maior a especificidade de ativos de uma transação, maiores os custos de transação.

Incerteza

O impacto da incerteza se refere às fontes de perturbações para as quais adaptações são requeridas numa relação entre fornecedor e cliente. 

O nível de incerteza que envolve uma transação tende a aumentar os custos de transação.

Isso porque há a possibilidade de uma das partes incorrer em um comportamento oportunista e prejudicar o outro lado.

Frequência

Quanto mais frequentemente uma empresa transaciona com um fornecedor, mais vezes ela tem que incorrer nos custos de realizar cada transação.

Ou seja, quanto maior o número de transações, maior também será o custo de transação da relação entre fornecedor e cliente.

A depender da especificidade do ativo, pode ser importante para a empresa optar por internalizar esse processo.

Considerações sobre custo de transação

Resumindo, temos que quanto maiores os níveis de especificidade do ativo, das incertezas, da frequência, e quanto menor o número de opções de fornecedores maiores são os custos de transação.

Esses custos de transação só existem porque os mercados são imperfeitos. 

Ou seja, a informação é assimétrica, existe incerteza, e há a possibilidade de comportamentos oportunistas de algum dos lados da transação.

A tentativa de lidar com os riscos envolvendo transações nos mercados geram, portanto, custos que definem o tipo de estrutura produtiva em cada setor e em cada país.