O que é custo de oportunidade?

O custo de oportunidade é uma maneira de mensurar o custo das escolhas que fazemos. 

Sempre que fazemos uma escolha é sinal de que abrimos mão de alguma coisa e, portanto, deixamos de ganhar.

Neste caso, se quisermos fazer uma escolha racional, devemos escolher a opção que nos trará maiores ganhos do que as demais.

Em ciências econômicas, a definição do custo de oportunidade está ligada ao conceito de escassez.

Ou seja, como não é possível escolher/comprar tudo, é necessário abrir mão de várias coisas para se ter algo. 

Em finanças, o custo de oportunidade se refere à estimativa de ganho com um ativo livre de risco com o maior retorno possível. 

Aqui geralmente se utiliza os juros dos títulos públicos como custo de oportunidade.

Isso porque quem investe em ações ou imóveis, por exemplo, está abrindo mão da oportunidade de investir em um título que rende uma determinada taxa de juros garantida.

No geral, custo de oportunidade é um conceito que pode servir para várias coisas, desde o campo dos investimentos até para os relacionamentos amorosos, desde que se tenha uma escolha a ser feita.

Seja lá em que sentido se use, o custo de oportunidade seria aquele referente ao maior valor perdido em função de se ter optado por uma escolha e não por outra.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Entendendo o custo de oportunidade

Não há uma fórmula geral para realizar o cálculo do custo de oportunidade. Isso significa que este custo deve ser estimado de acordo com cada caso.

Na teoria do consumidor, em microeconomia, o custo de oportunidade é muito utilizado ao comparar utilidades derivadas de opções de consumo.

Um exemplo disso pode ser a escolha que um indivíduo se defronta entre usar sua poupança para comprar um carro ou fazer uma viagem no exterior.

Aqui temos que, ao fazer a viagem ele arcará com o custo de oportunidade de deixar de usufruir de um automóvel.

Caso o indivíduo em questão escolha viajar, é sinal de que a utilidade dessa opção de consumo será no mínimo igual ou maior que a compra de um automóvel.

Ou seja, como não dá para escolher as duas opções ao mesmo tempo, deverá optar por aquela que dará maior retorno em termos de satisfação.

Vale notar que a escolha é sempre única, enquanto as oportunidades renunciadas tendem a ser inúmeras. 

Neste caso, ao optar por viajar, o consumidor deixou de lado a compra do automóvel e outras coisas mais que poderia fazer com o dinheiro.

Assim, a utilidade derivada da compra do automóvel será o custo de oportunidade que o consumidor arcará ao gastar seu dinheiro para viajar.

Custo de oportunidade em investimentos

Como já dito, o custo de oportunidade é bastante utilizado no ramo de investimentos.

Aqui temos que um investidor, munido de recursos (dinheiro) finitos, terá que optar por um conjunto limitado de opções para aplicar seu capital.

Neste caso, terá que escolher entre ações, títulos de renda fixa, fundos imobiliários, derivativos, entre outras coisas mais.

Geralmente, os profissionais do mercado financeiro utilizam a remuneração dos títulos públicos como custo de oportunidade

Essa escolha se deve ao fato destas opções de investimento darem um retorno garantido, ou seja, livre de risco.

Logo, quem comprar ações estará abrindo mão da rentabilidade derivada dos títulos de renda fixa. 

Para ser uma escolha racional, a pessoa somente decidirá investir em ações se tiver uma expectativa de ganho que seja consideravelmente maior do que o retorno com investimento em renda fixa.

Isso porque o investimento em ações apresentam um risco bem maior, o qual deve ser ponderado.

Neste caso, se um título estiver pagando 10% ao ano, só será interessante investir em ações se o retorno esperado for de, no mínimo, o dobro.

Se o retorno esperado no mercado de ações for de, por exemplo, 12%, então será mais racional o investimento em títulos públicos.

Embora os títulos garantam ganhos um pouco menores, essa escolha terá a vantagem de garantir ganhos de 10% sem que o investidor tenha que se preocupar com o perigo de perda.

No mercado financeiro, os profissionais tendem a usar o custo de oportunidade como parâmetro para mensurar os resultados de seus ganhos (ou perdas).

É comum, por exemplo, ver fundos de investimentos divulgarem seus resultados em termos de porcentagem sobre o CDI (juros dos títulos de renda fixa atrelados à Selic).

Assim, um fundo que teve um retorno de 200% do CDI é sinal que teve-se o dobro de rentabilidade referente ao custo de oportunidade, que é o investimento de renda fixa livre de risco.

Quer entender como funciona a taxa CDI e como ter o melhor rendimento com investimentos em renda fixa? Temos um material completo sobre este assunto neste link.