O que é cota de fundos e como funciona

Cota de Fundos

O que são cotas de fundos. Significado, conceito, para que serve e como funciona.

O que é cota de fundos?

No mercado financeiro, a cota é a menor parcela divisível do patrimônio líquido de um fundo de investimentos.

Um fundo de investimentos é organizado sob a forma de condomínio cuja propriedade é dividida em cotas e distribuída entre as pessoas.

Aqueles que queiram fazer parte do negócio devem comprar ao menos uma cota.

As cotas dão direito a uma fração do patrimônio do fundo, e podem receber proventos de acordo com a sua porcentagem no negócio total.

A pessoa que tem posse de cotas de um fundo é chamada de cotista.

Banner will be placed here

Como funciona os fundos de investimentos

Fundos de investimento são condomínios/grupos constituídos com o objetivo de realizar a aplicação coletiva dos recursos de um conjunto de pessoas que tenham interesses em comum. 

Os fundos de investimento constituem-se num mecanismo organizado com a finalidade de captar e investir recursos no mercado financeiro.

São formas coletivas de investimento, com vantagens, sobretudo, para o pequeno investidor individual que poderá ter seu dinheiro investido por um gestor profissional.

Os fundos de investimentos captam os recursos através da emissão de cotas, que são vendidos no mercado para diversas pessoas.

A partir do dinheiro angariado a partir da venda das cotas, será realizado investimentos em carteiras de ativos disponíveis no mercado financeiro e de capitais.

Por sua vez, o valor das cotas estará atrelado ao valor do patrimônio líquido do fundo.

O seu valor é calculado diariamente pela soma do valor de todos os títulos e do valor em caixa, menos as obrigações do fundo, inclusive aquelas relativas à sua administração. 

Fundos abertos e fechados

Os fundos de investimento podem ser organizados sob a forma de condomínios abertos ou fechados.

Nos fundos abertos é permitida a entrada de novos cotistas ou o aumento da participação dos antigos por meio de novos investimentos, 

Neste caso, a saída de cotistas é realizada por meio de resgates de cotas, no qual deverá haver a venda de ativos do fundo para a entrega do valor correspondente ao cotista em questão. 

Já nos fundos fechados, a entrada e a saída de cotistas não é permitida após o período de captação. 

Nesta modalidade, caso queira entrar no fundo, as cotas podem ser adquiridas a partir de operações de compra e venda no mercado financeiro.

Ou seja, o investidor interessado deverá comprar cotas daqueles que quiserem sair do fundo de investimento em questão.

Assim, a entrada de um novo cotista não altera a participação dos demais cotistas do fundo.

Para isso, os fundos fechados devem ser registrados para negociação de cotas em mercados administrados pela bolsa de valores

Diferentemente dos fundos abertos, aqui não é admitido o resgate de cotas por decisão do cotista. 

Caso queira sair do negócio, terá que vender suas cotas a terceiros se quiser receber o seu valor antes do encerramento do fundo.. 

Direitos e deveres do cotista

Ao adquirir cotas de um determinado fundo, o investidor está concordando com suas regras de funcionamento e passa a ter os mesmos direitos e deveres dos demais cotistas.

Ou seja, os direitos e deveres são independentes da quantidade de cotas de posse de cada um. 

As regras dos fundos de investimentos são variáveis entre cada um.

Por isso, é importante o cotista analisar corretamente o regulamento do fundo antes de investir para não ser surpreendido depois.

É obrigação do administrador fornecer o regulamento e o prospecto do fundo a todos os cotistas.

O mesmo vale para os relatórios periódicos sobre as atividades do fundo, como também divulgar qualquer informação relevante sobre o negócio.

Os cotistas também podem acompanhar e participar das assembléias, votando em questões importantes do dia a dia do fundo todas as informações relativas ao fundo. 

Caso o cotista identifique alguma eventual violação da legislação ou das regras contidas no regulamento do fundo, pode formalizar uma reclamação junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE