O que é corrupção?

Corrupção é o ato de oferecimento ou obtenção de vantagem indevida, beneficiando uma parte e prejudicando imediatamente outra. 

A corrupção envolve o ato de suborno e de propina, a fraude, a apropriação indevida ou qualquer outro desvio de recursos por parte de um funcionário público.

Este fenômeno pode ocorrer em diferentes contextos, tanto no meio político quanto privado.

No geral, a corrupção é uma prática extremamente prejudicial para as organizações, seja lá onde ocorra.

Na política, ela prejudica as instituições democráticas, freia o desenvolvimento econômico, gera instabilidade política e desigualdade social.

No Brasil, a corrupção é crime, previsto no Código Penal Brasileiro (Decreto – Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940): Art. 317 e Art. 333).

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona a corrupção

A corrupção geralmente é utilizada por aqueles que detém o poder ou autoridade em alguma área.

Por terem o poder, conseguem utilizá-lo para conseguir obter vantagens, privilegiando seus próprios interesses em detrimento do de outras pessoas. 

As vantagens conseguidas pela corrupção podem ser de vários tipos, mas a maioria resulta em benefício financeiro.

No setor público, geralmente a corrupção envolve desvios de verbas públicas, no qual o dinheiro destinado para um fim público é canalizado para outras empresas ou pessoas físicas.

Há também a prática de aceitar e solicitar recursos financeiros para obter um determinado serviço público, retirada de multas ou em licitações para favorecer determinada empresa ou pessoa.

A corrupção também está presente no setor privado, especialmente em grandes corporações.

É comum, por exemplo, casos em que chefes de setor aceitam propina de fornecedores para que a firma firme uma parceria para a compra de seus produtos.

Outra forma muito corriqueira de corrupção no setor privado é o tráfico de informações. 

Esse caso ocorre quando um funcionário dentro da companhia vende informações internas para alguém do lado externo, que a utilizará para ganhar vantagem de alguma forma.

Assim, a corrupção é prejudicial tanto para o setor público quanto privado, pois interfere na forma como os recursos serão empregados. 

Ao se corromper, os líderes de cada esfera das organizações irão tomar decisões baseadas em interesses pessoais, podendo, na maioria das vezes, negligenciar questões relativas à eficiência dos processos.

Esforços para combater a corrupção

Por ser a corrupção uma prática extremamente nociva para os negócios e a implementação de políticas públicas, é necessário que as sociedades saibam como enfrentá-la.

No setor público, vários são os esforços para tentar barrar os atos de corrupção.

A constituição de órgãos de corregedoria são importantes para fiscalizar a forma como são feitos os processos de contratação e pagamento de serviços e compra de produtos.

A burocracia, embora atrapalhe a fluidez e velocidade dos processos, é considerada necessária para barrar ações irregulares.

Entretanto, uma burocracia muito pesada pode atrapalhar a eficiência na forma de negociar e realizar os negócios.

Assim, uma burocracia eficiente, portanto, é aquela que consegue eliminar a corrupção sem prejudicar a realização dos negócios.

Outras formas de combater a corrupção são a criação de leis e punição dos infratores, como a Lei da Ficha Limpa no Brasil.

Já no setor privado, o combate à corrupção geralmente se dá a partir da instauração de auditorias e implementação de órgãos de controladoria.

Estes têm como função analisar os processos internos da firma, procurando por potenciais riscos e possíveis casos de irregularidades.

No Brasil, a legislação estabelece que o crime de corrupção existe somente contra a administração pública, envolvendo, portanto, algum agente público. 

Todavia, um dos tópicos que mais preocupa atualmente o mundo empresarial é a corrupção no setor privado.

A corrupção no setor privado é pelo menos tão preocupante e presente quanto a corrupção no setor público.