O que é corretagem?

Corretagem é a taxa cobrada pelas corretoras de valores para fazer as operações de compra e venda de ativos no mercado financeiro. 

O valor cobrado é usado para pagar os custos burocráticos e tecnológicos das operações, como também remunerar o serviço da corretora

Hoje em dia é comum ver algumas corretoras cobrando taxa zero de corretagem para o investidor pessoa física.

Entretanto, isso não significa que a corretora estará ganhando nada, as corretoras possuem outras formas de ganhar dinheiro 

A corretagem zero é, muitas vezes, um artifício para atrair investidores para a corretora, a qual apresenta outras fontes de renda a partir da venda de outros produtos e serviços.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Tipos de corretagem

A corretagem pode ser cobrada de várias formas.

As corretoras têm total liberdade para determinar como vão cobrar sua taxa de corretagem

No geral, há três tipos diferentes de corretagem que são usadas pelas corretoras: corretagem fixa, variável ou mista. 

Vejamos como funciona cada uma: 

Corretagem fixa

No modelo de corretagem fixa é definido um valor fixo para cada ordem de compra ou venda emitida pelo investidor. 

Neste caso, os valores movimentados não importam, mas apenas a quantidade de ordens.

Seja um investimento de R$ 100,00 ou de R$ 100 mil, a taxa será a mesma.

Se um investidor realizou 5 operações de R$ 100,00 cada, ele pagará 5 vezes a taxa de corretagem, ou seja, mais do que quem optou por realizar apenas uma ordem de R$ 500,00, ou mais.

Corretagem variável

Na corretagem variável a taxa cobrada é um percentual sobre o valor total das operações. 

Ou seja: se um investidor realizar 50 aplicações de R$ 100,00 cada, considerando uma taxa de 10% por operação, pagará R$ 50,00 de corretagem.

A mesma corretagem será paga caso emita apenas uma ordem de R$ 500,00.

Corretagem mista

Por fim, temos a corretagem mista, que é uma mesclagem das características das duas modalidades de corretagem anteriores. 

Ou seja, na corretagem mista será aplicado uma taxa fixa + percentual sobre o total investido. 

Isso não significa necessariamente que é um modelo mais caro que os outros.

A corretagem mista permite à corretora garantir um retorno mínimo em ordens com baixos valores emitidas pelos investidores, como também ganhos maiores em casos de movimentações elevadas.

Quais outras taxas que existem?

Infelizmente, a taxa de corretagem não é o único custo que o investidor deverá arcar para investir no mercado financeiro.

A corretagem é a taxa que será recebida apenas pela corretora. 

Entretanto, há outras instituições que fazem parte das operações do mercado financeiro e que, por isso, cobram sua parcela nas transações.

Vejamos quais são as demais taxas.

Taxa de custódia

A taxa de custódia, apesar de ser cobrada pelas corretoras, é relacionada aos custos de armazenamento dos títulos ou ações que o investidor tem em carteira. 

Esta é como se fosse a cobrança do aluguel de onde estão depositadas as suas aplicações.

Assim como a corretagem, a taxa de custódia pode ser fixa ou variável.

Felizmente, muitas corretoras têm decidido zerar esse custo para os clientes. 

Essa isenção pode ser integral ou a partir de determinado volume ou tipo de investimento.

ISS

O Imposto sobre Serviços (ISS) incide sobre o valor da taxa de corretagem com alíquota de até 5%. 

Ou seja, se você pagar uma corretagem de R$ 5,00 ao realizar uma operação no mercado financeiro, o valor do ISS será, no máximo, R$ 0,25.

O ISS é um imposto brasileiro municipal, ou seja, somente os municípios têm competência para instituí-lo.

No caso das operações realizadas na B3, o ISS é arrecadado pela prefeitura de São Paulo.

Emolumentos

Os emolumentos são os custos cobrados pela B3 (bolsa de valores brasileira) sobre as operações de compra e venda de ativos. 

O valor dessa taxa varia bastante, pois depende do tipo de ativo e do volume financeiro negociado.

Imposto de Renda

Investimentos em renda variável têm incidência de Imposto de Renda (IR)

Para operações que duram mais de um dia, a alíquota é de 15% sobre os ganhos.

Já para negociações day trade, que começam e terminam em menos de 24 horas, a taxa é de 20% sobre os ganhos.

Caso o investidor saia com prejuízo da operação, não deverá pagar nada de IR.

Além disso, deve-se lembrar que vendas de ações num total de R$ 20 mil no período de um mês têm isenção de IR para pessoas físicas.

Diante de tudo isso, é importante o investidor pesquisar bastante na hora de escolher a melhor corretora de valores, focando naquelas que apresentam baixas taxas e boa qualidade de serviço.