Com a inflação pressionando os custos de construção e o preço dos imóveis, as incorporadoras de médio e alto padrão lucraram mais do que as econômicas, apontam os balanços divulgados ontem.

A Tenda, especializada na faixa 2 do Casa Verde e Amarela, teve prejuízo líquido de R$ 67,3 milhões no trimestre, queda de 283% sobre o mesmo período de 2021, mas valor melhor do que os R$ 268,5 milhões negativos reportados no quarto trimestre.

Outros números da companhia mostram melhora ante o trimestre anterior e desempenho fraco perto do registrado há um ano: a receita líquida foi de R$ 581 milhões, queda de 3,6% ante o início de 2021, mas alta de 12,4% sobre o anterior.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi negativo em R$ 11 milhões, menos 117% no ano e melhora de 95% sobre o último trimestre de 2021.

Também atuante no Casa Verde e Amarela, mas concentrada na faixa 3, a RNI reportou no primeiro trimestre lucro líquido de R$ 1,9 milhão, queda de 24% sobre o mesmo período do ano passado.

Já a receita líquida subiu 49% na comparação anual, para R$ 133 milhões, e as vendas líquidas chegaram a R$ 171 milhões, aumento de 9% e o maior patamar para o trimestre em seis anos na empresa.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

As duas companhias trabalharam para aumentar o valor das unidades, de forma a preservar ou elevar suas margens.

O preço médio da venda líquida da Tenda foi de R$ 164 mil, alta de 15% na base anual. Entre os lançamentos, o preço médio subiu 18% no ano e está em R$ 176,3 mil.

Marcos Pinheiro, executivo financeiro, diz que a estratégia é sacrificar velocidade de venda, se necessário, para elevar o preço.

De fato, o índice de venda sobre oferta (VSO) líquida da Tenda caiu 5 pontos percentuais no ano (26,5%).

A RNI conseguiu elevar o preço das unidades lançadas em 14%, para R$ 191 mil, perdendo apenas 0,7 ponto percentual de VSO, hoje em 18%.

Para o presidente Carlos Bianconi, a área de atuação da RNI fez a diferença nesse quesito. “Estamos no interior do Brasil, na região do agro, que é empregador”, diz.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

No médio e alto padrão, os resultados foram mais positivos.

A Moura Dubeux, que atua no Nordeste, reportou lucro líquido de R$ 23,2 milhões no primeiro trimestre, alta de 30,4% na comparação anual, com receita 6,7% maior, de R$ 172 milhões.

A margem bruta também aumentou, em 8,5 pontos percentuais, e foi de 40%.

A companhia vendeu mais do que lançou no trimestre: foram R$ 401 milhões em vendas líquidas, alta de 64,4% sobre o primeiro trimestre de 2021, e R$ 353,5 milhões de VGV potencial, quase 300% a mais do que no início do ano passado.

O CEO Diego Villar analisa que a companhia se beneficia da falta de concorrência onde atua, desde que grandes incorporadoras do Sudeste desistiram da região.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

“Elas nem falam em lançar [aqui], tiveram trauma de desenvolvimento imobiliário que não deu o retorno esperado”.

A incorporadora aposta no médio e alto padrão, incluindo uma linha para segunda residência, que se fortaleceu na pandemia.

A paulistana Lavvi obteve lucro líquido atribuível aos acionistas controladores de R$ 21 milhões no primeiro trimestre, acréscimo de 24% em base anual.

As vendas líquidas saltaram 89% na base anual, para R$ 162,4 milhões em VGV.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Em um período que nas palavras da empresa “exigiu cautela redobrada”, a receita líquida somou R$ 99,5 milhões, alta de 10% na mesma base de comparação.

Fonte: Valor Econômico.