É boa a sensação de comprar ações baratas, mas dói muito ver a bolsa de valores ceder mês a mês.

Para quem esteve na bolsa desde janeiro de 2016, a vida foi fácil, até mesmo nos momentos mais difíceis.

Para toda queda de 10% do topo histórico que houve, rapidamente o mercado de ações se recuperou. 

Isso explica a alta praticamente em linha reta de janeiro de 2016 a janeiro de 2020.

Gráfico de evolução do Ibovespa desde 2000
Gráfico de evolução do Ibovespa desde 2000

Mas esse gráfico não mostra apenas a parte bonita da história.

Também podemos ver a morte lenta do investidor entre 2011 e 2016, onde o mercado, a passos lentos, foi dos 70 mil para os 38 mil pontos.

Para o investidor é muito mais penoso a morte a conta gotas durante um longo período do que uma abrupta queda de 50% tal qual ocorreu no estouro da pandemia.

A queda lenta do Ibovespa traz consigo alguns requintes de crueldade.

De junho para cá o mercado testa as convicções de investimento dia após dia.

Antes um simplista (e até errado) discurso de “caiu, comprou” serviu ao menos para atrair o investidor pessoa física para a bolsa.

O acerto pelo processo errado acostumou mal o investidor.

Agora, a cada queda o investidor amarga, por mais convicto que esteja nas suas empresas escolhidas, vem o questionamento se vale a pena tentar pegar a faca caindo.

O preço médio, tão lindo quando os mercado estão estruturalmente eufóricos, se torna um deprimente preço “mérdio” em períodos de morte lenta.

Soma-se a isso, temos uma eleição no ano que vem e a volta da, antes dada como morta, renda fixa.

É a tempestade perfeita.

Não há julgamentos para quem está desesperançoso e cansado.

Para o mais experiente e sábio investidor esse é, sim, um período difícil.

O que está ao nosso alcance, no momento, é agir de forma inversa ao nosso sentimento.

Parcimônia, disciplina, paciência e diversificação são sempre bem-vindas no processo.

Tudo passa.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

A 130 mil pontos tínhamos uma legião de investidores esperando um momento mais adequado para comprar mais barato.

A 104 mil pontos temos uma legião de investidores esperando definições sobre o futuro para retomar os investimentos.

Esses discursos não casam, mas são proferidos pelas mesmas pessoas.

Inebriados pela ressurreição da renda fixa, o investidor médio está deixando de olhar para aquelas ações que em 5 anos terá se arrependido de não comprar aos preços atuais.

O cenário atual apenas mostra que a vida do investidor é dura e não é aquele céu de brigadeiro que tivemos de 2016 a 2020.

Hoje vemos que o bom investidor não é aquele que não fica desanimado, mas aquele que mesmo desanimado segue o plano inicial.

Lembre que não precisa de muito para todo o discurso do investidor mudar.

Se a positividade tóxica é ruim nos momentos bons, o mesmo vale para o catastrofismo nos momentos difíceis.