Como Funciona o Aluguel de Ações na Bolsa de Valores
|

Como Funciona o Aluguel de Ações

O aluguel de ações é uma forma de ganhar dinheiro extra na bolsa de valores.

Por
Atualizado em 09/06/2020

Se você é dono dos papéis, pode lucrar com as taxas do aluguel de ações. Se é locatário, pode usar a modalidade para operar vendido.

Da mesma forma que alugamos uma casa, apartamento, automóvel, vaga na garagem, bicicletas e tantos outros bens, no mercado de ações também existe a possibilidade de alugar as ações.

O aluguel de ações permite que você empreste os seus papéis para investidores que querem negociar esses ativos, em troca de uma taxa.

Esta operação se mostra favorável para as duas partes.

Para o investidor de longo prazo é uma forma de aumentar a rentabilidade da carteira. Já para o locatário, esta é uma oportunidade de investimento.

Se você tem um bom volume de ações e não as aluga, está deixando de ganhar dinheiro.

De acordo com dados da Economática, a média do volume negociado com o aluguel de ativos na B3 foi de R$ 77 bilhões por mês em 2019.

Em março deste ano aumentaram as apostas na queda da Bolsa Brasileira e a quantidade de negócios com aluguel de ações bateu recorde.

Foram 273.259 contratos de aluguel de ações em março de 2020, segundo a Economática.

Então, está pronto para saber o que é aluguel de ações e como funciona?

Leia até o final e veja como ganhar dinheiro alugando ações.

O que é Aluguel de Ações?

O aluguel de ações é uma operação entre dois investidores onde uma das partes (doador) disponibiliza suas ações para o outro investidor (tomador) alugar mediante a uma taxa prefixada.

  • Doador: proprietário dos papéis. Busca receber um rendimento extra pelo empréstimo das ações.
  • Tomador: quem aluga as ações de outro investidor. Geralmente necessita dos ativos temporariamente para viabilizar alguns tipos de operações a curto prazo.

Na maioria das vezes, o doador possui uma estratégia de longo prazo e decide disponibilizar suas ações para o aluguel enquanto espera a valorização de seus ativos.

É uma forma de aumentar a rentabilidade da carteira, sem perder os benefícios pagos pelos papéis.

A taxa de retorno é anual e paga proporcionalmente ao período do contrato.

Já o tomador, normalmente aluga as ações do doador para operar vendido (short) e lucrar com a queda de determinada ação.

Entre os ativos que podem alugados, estão:

  • Ações;
  • Units;
  • ETFs (Exchange Traded Funds);
  • BDR (Brazilian Depositary Receipts).

Assim como na compra e venda de ações, quem faz a intermediação das operações de aluguel entre os investidores e a Bolsa de Valores (B3) é a corretora de valores.

Os doadores disponibilizam suas ações para aluguéis com a modalidade e taxa que desejarem, de acordo com a disponibilidade do ativo no mercado.

Os tomadores escolhem entre as ofertas disponíveis no mercado.

A B3 é o órgão responsável por garantir as operações de aluguéis de ativos. Esse serviço é realizado por meio do BTC (Banco de Títulos CBLC).

Uma vez alugados, esses ativos servem para diversas finalidades dentro do mercado financeiro.

Dentre as operações permitidas com as ações alugadas estão:

  • Vendas no mercado à vista;
  • Liquidação de operações realizadas no mercado à vista;
  • Margem de garantia para operações no mercado futuro;
  • Cobertura no lançamento de opções de compra (call).
Banner will be placed here

Como Funciona o Aluguel de Ações?

O aluguel de ações funciona de forma semelhante ao aluguel de imóveis

Enquanto sua estratégia de longo prazo não é concretizada, investidores fundamentalistas podem alugar suas ações para obterem uma rentabilidade extra.

Assim, ganham com a valorização no longo prazo e com o aluguel das ações.

O doador é quem decide quanto quer pelo aluguel e por quanto tempo o ativo ficará alugado. 

Para iniciar o processo, o investidor com interesse em se tornar doador deve informar à corretora, por meio do Home Broker, o interesse de alugar suas ações.

Deve-se definir a quantidade, remuneração e prazo.

Os ativos que, atualmente, podem ser emprestados são: ações, BDRs, Units e ETFs

Como alugar ações
Fonte: B3

A corretora atua como intermediário entre o doador e o tomador do empréstimo, registrando o contrato de aluguel na Bolsa.

Como alugar ações
Fonte: B3

Quem deseja alugar os papéis disponibilizados (tomador) deve fornecer uma garantia à corretora, além de pagar uma taxa pelo aluguel.

Entre os ativos que podem ser usados como garantia no aluguel de ações estão:

  • Títulos do Tesouro Direto;
  • CDBs (Certificados de Depósito Bancário);
  • LCI/LCA (Letras de Crédito Imobiliário/Letras de Crédito do Agronegócio);
  • Ações.

A garantia serve para assegurar que o tomador terá capital suficiente para cobrir a liquidação na data do vencimento estabelecida no contrato.

Conformada a operação, os ativos do doador são transferidos para o tomador até o prazo estipulado.

Como alugar ações
Fonte: B3

Durante esse período os doadores que possuem ações com direito a voto em assembleias tem seu direito anulado.

Em relação aos proventos, como dividendos e juros sobre capital próprio, são recebidos apenas pelo doador da mesma forma que ocorria antes da operação.

Para as bonificações, os valores são corrigidos e repassados na data de liquidação.

Como alugar ações
Fonte:B3

Operação para o doador

A estratégia do doador é rentabilizar sua carteira de ações de longo prazo. 

Imagine que você tenha um lote-padrão de Petrobras (PETR4) e que decidiu alugar por R$0,20 centavos cada ação, por mês. 

Nesse caso, ganharia R$20 reais de aluguel por mês sem fazer nada.

Operação para o tomador

Geralmente quem toma ações emprestadas são traders experientes que querem especular no curto prazo através da análise gráfica.

Se ele verifica uma tendência de baixa, faz uma venda a descoberto, acreditando que o preço dos papéis irá cair.

Nesse caso, ele aluga as suas ações que agora valem R$ 15, por exemplo, e as vende.

Quando o preço delas cai para R$ 10, ele recompra essas ações no mercado por R$ 10 aferindo R$ 5 de lucro.

Então, devolve as suas ações com uma taxa de aluguel.

Tipos de Contrato de Aluguel de Ações

Há diferentes tipos de contratos para o aluguel de ações.

Na hora de oferecer as ações para o aluguel, o doador precisa escolher entre:

Contrato reversível ao doador

O doador tem o direito de encerrar o contrato a qualquer momento, independentemente do período acordado.

Caso isso ocorra, o tomador terá 4 dias para devolver as ações a partir da data de solicitação.

Nesse caso, ele paga apenas a taxa de aluguel proporcional ao período que ficou com as ações.

Contrato reversível ao tomador

O tomador possui o direito de  finalizar o contrato a qualquer momento, independentemente da data de vencimento.

Ele deve devolver as ações a alugadas em até 4 dias e paga a taxa de aluguel proporcional ao tempo de permanência.

Contrato reversível ao tomador e doador 

Permite que tanto o tomador quanto o doador finaliza o contrato de aluguel antes do vencimento, quando acharem necessário.

Caso o contrato seja finalizado antes do vencimento, o tomador terá 4 dias úteis para devolver as ações.

Vencimento Fixo

Tanto o doador quanto o tomador devem cumprir o período de vigência do contrato acordado previamente por ambas as partes.

Vantagens do Aluguel de Ações

O aluguel de ações é uma operação vantajosa para os participantes, pois, permite que cada um realize os seus objetivos na bolsa de valores.

Para o doador

A principal vantagem de alugar ações para o doador é obter uma fonte de renda extra de um ativo que estava parado na carteira.

Além disso, os benefícios pagos pelos papéis continuam sendo pagos e os ativos valorizados conforme os anos passam.

  • Rentabilidade extra com ações da carteira sem vendê-las;
  • O doador continua recebendo os juros e dividendos da ação;
  • Negociação de baixo risco, pois a operação é garantida pela CBLC;
  • Não há custos para o doador.

Para o tomador

A principal vantagem para o tomador é viabilizar sua estratégia de curto prazo, em geral, a venda a descoberto.

  • Possibilita investidores de curto prazo a aproveitarem o mercado em queda;
  • Possibilidade de ganho com a oscilação do mercado;

Desvantagens do Aluguel de Ações

O aluguel de ações também tem suas desvantagens e riscos que devem ser avaliados.

Para o doador

Para o doador, os riscos associados à locação das ações são baixos, já que a CBLC atua como o órgão regulador responsável pela operação.

Uma desvantagem para o investidor que deseja emprestar suas ações é que nem todos os papéis são interessantes para o aluguel. 

Geralmente, as ações mais procuradas são aquelas com alto volume de negociações e com uma boa volatilidade diária.

Já as Small Caps dificilmente serão alugadas.

  • Dificuldade na locação;
  • Rentabilidade pequena, em geral entre 1 a 5% ao ano, recebendo o proporcional pelo tempo alugado;
  • Não pode participar de assembleias;
  • Risco de liquidação financeira.

Para o tomador

O tomador corre riscos mais elevados que podem se dar por conta dos seguintes fatores:

  • Flutuação da ação além da expectativa do tomador;
  • Atualização diária das garantias exigidas;
  • Taxa de aluguel estipulada pelo doador;
  • Risco de liquidação financeira.

Liquidação Financeira

A liquidação financeira acontece quando o tomador não consegue recomprar os ativos para devolver ao doador. 

Nesse caso, o tomador deve efetuar o pagamento pelos papéis em dinheiro.

Para calcular o valor da liquidação financeira usa-se a seguinte fórmula:

Em que:

LF = Taxa de liquidação a ser paga em reais;

Q = Quantidade de ativos;

C = Cotação do ativo definida no dia do contrato;

i = Taxa de liquidação e empréstimo definida a partir da quantidade de dias úteis no ano;

n = Número dias do contrato.

Rentabilidade do Aluguel de Ações

A rentabilidade do aluguel de ações para o doador consiste na taxa de remuneração estabelecida por ele.

A taxa varia de acordo com cada ativo, sendo que a B3 divulga diariamente em seu site as taxas médias de negociação.

Geralmente varia entre 2% e 5% ao ano sobre o preço do ativo-alvo.

O preço do ativo é fixado no momento do contrato e serve de referência para o cálculo da remuneração.

A rentabilidade do doador é proporcional ao tempo de vigência do contrato.

Embora pareça pouco, é uma forma de alavancar a rentabilidade a partir de um ativo que ficaria parado, sem perder direito a recebimento de proventos.

Para o tomador, a rentabilidade depende da concretização de sua estratégia de curto prazo.

Geralmente a venda a descoberto e long and short (comprado & vendido).

Quem pode realizar um aluguel de ações?

Qualquer pessoa com uma conta aberta em uma corretora de valores e detentor de algum ativo pode realizar um aluguel de ações.

Geralmente quem disponibiliza as ações para serem alugadas é o investidor com estratégia de buy and hold, o qual detém os papéis esperando uma boa valorização no longo prazo.

Como não irão utilizá-las no curto e médio prazo, ele os aluga para outro investidor ganhando um dinheiro extra.

Quem tem interesse em alugar as ações de outro investidor, normalmente pode estar interessado em ganhos de curto prazo.

O aluguel de ações é uma negociação que conecta investidores de perfis opostos onde ambos são beneficiados.

Conheça o seu perfil de investidor fazendo o teste de perfil online

Como emprestar ativos

Pessoas físicas, jurídicas, instituições financeiras e alguns tipos de investidores institucionais têm a permissão para alugar ativos no mercado de capitais.

Não existe uma quantidade mínima de ações que podem ser alugadas. Pode ir de lotes inteiros a ações fracionadas.

Porém, algumas corretoras podem exigir um determinado valor mínimo da carteira antes de colocar os ativos para locação.

Como alugar ações – Doador

O investidor que quer colocar suas ações para serem alugadas deve informar a sua corretora através do Home Broker.

Para firmar o contrato será necessário especificar:

  • Código do ativo disponibilizado para aluguel;
  • Quantidade;
  • Taxa do aluguel (% ao ano);
  • Data de vencimento;
  • Se é renovável ou não;
  • Tipo do contrato.

Como alugar ações – Tomador

O tomador abre o home broker e escolhe a oferta doadora que melhor atenda suas necessidades (quantidade de papéis, taxa, prazo e modalidade).

Para concretizar a negociação precisará deixar uma garantia (valor em dinheiro ou em ativos) que ficarão bloqueados na corretora até a liquidação da operação.

A margem de garantia solicitada será do valor da posição alugada (preço médio do papel x quantidade) +  intervalo de margem (adicional conforme o risco).

Quanto maior for a volatilidade do ativo, maior o valor adicional a ser colocado em garantia.

Custos e Taxas do Aluguel de Ações

Conhecer os custos sobre investimentos é fundamental para decidir se vale ou não a negociação, já que as despesas influenciam nos rendimentos obtidos.

Veja como funciona em cada uma das partes:

Para o doador

A B3 não cobra tarifa do doador, mas as corretoras podem cobrar taxas que serão descontadas do seu rendimento.

Para o tomador

O tomador deve pagar a remuneração devida ao doador pelo aluguel das ações.

Além disso, existe a taxa de registro da B3 fixada em 0,25% ao ano sobre o valor total negociado, sendo o mínimo de R$10,00.

No caso de empréstimos compulsórios, fechados automaticamente pelo sistema BTC para o tratamento de falhas do mercado a vista, a taxa de registro da B3 será de 0,50% a.a. e não há mínimo.

Pode haver também a taxa de corretagem cobrada pela instituição financeira faz a mediação da operação.

Este custo é variável e definido por cada instituição. 

Tributação no Aluguel de Ações

Para o doador há incidência de imposto de renda retido na fonte sobre o rendimento da operação de empréstimo.

Isso acontece porque o rendimento é considerado de renda fixa e as alíquotas aplicadas seguem a tabela regressiva do Imposto de Renda:

Até 180 dias – 22,5%

De 181 a 360 dias – 20%

De 361 a 720 dias – 17,5%

Acima de 720 dias – 15%

Investidor estrangeiro – 15%

Instituição financeira – isento

Esse imposto é retido apenas sobre a rentabilidade. No entanto, o investidor ainda deve declarar os seus ganhos na declaração anual de IR.

Na tela da receita, basta escolher “rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva”.

Depois disso clicar em “6. Rendimentos de aplicações Financeiras”.

Digite “empréstimo da ação x” e coloque o valor líquido.

Saiba mais no artigo Como Declarar Imposto de Renda Sobre Investimentos Sem Erro.

Onde Investir na Bolsa? Baixe a Lista de 3 Ações para Investir Agora”.

Aluguel de Ações Vale a Pena?

O aluguel de ações é uma forma de operar no mercado renda variável e conseguir uma rentabilidade extra dentro da bolsa de valores.

Para o doador é uma aplicação segura que traz retornos previsíveis.

É direito do doador continuar recebendo eventuais proventos concedidos pela empresa, como dividendos, juros sobre capital próprio ou qualquer outro provento, além da taxa de aluguel negociada no fechamento da operação.

Porém, não poderá participar das assembleias da empresa e nem negociar as ações que foram emprestadas sem antes encerrar o contrato.

Já o tomador do aluguel tem o direito de vender as ações alugadas no momento que julgar mais adequado, porém está sujeito às oscilações do ativo no mercado.

No empréstimo das ações é dever do tomador fornecer garantias financeiras, pagar a taxa de aluguel ao doador e devolver as ações até o vencimento do contrato.

O aluguel de ações é indicado para investidores que tenham conhecimento sobre essa forma de operar e que tenham estratégias bem definidas.

Então, antes de alugar ativos, o primeiro passo é conhecer o seu perfil de investidor.


Faça o teste de perfil de investidor online para descobrir a sua tolerância ao risco e as aplicações recomendadas para a sua carteira.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE