A inflação oficial no país é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mas sua inflação pessoal pode ser bem diferente do índice divulgado pelo IBGE. 

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Isso acontece porque o IPCA, assim como qualquer indicador, é uma média da variação dos preços e do impacto no custo de vida da população.

A taxa de inflação no país é calculada com base numa cesta de centenas de produtos em 13 áreas urbanas do País, que apontam a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos.

Já a inflação pessoal, é aquela sentida individualmente pelo consumidor, pois cada pessoa ou família tem hábitos próprios e gasta seu dinheiro de maneiras próprias.

Em vez de entrar em pânico com o aumento do custo dos produtos, planejadores financeiros orientam seus clientes a se concentrarem no cálculo de sua própria taxa de inflação pessoal, ou seja, quanto a inflação está realmente custando a você.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

O que é inflação pessoal?  

A inflação pessoal é aquela que afeta especificamente você e sua família. 

Em outras palavras, é a variação dos preços dos produtos e serviços que você de fato consome.

Afinal, sua cesta de consumo de produtos e serviços pode ser diferente da cesta teórica do avaliada pelo IBGE.

Se você é vegetariano, por exemplo, o aumento da carne não tem peso no seu orçamento. Se você anda de metrô, o impacto do preço da gasolina não será tanto,

Portanto, sua taxa de inflação pessoal depende de fatores próprios como hábitos de consumo, quantidade, tipo e marca diferente de cada produto, renda e número de pessoas que moram na mesma casa.

Como calcular minha inflação pessoal?

Da mesma forma que o IBGE calcula o IPCA comparando a variação dos preços de um período para outro, os consumidores também podem calcular sua inflação pessoal.

Para isso, basta anotar todos os seus gastos por dois períodos seguidos, dividindo-os em grupos de despesas que deseja acompanhar.

Veja o exemplo a seguir:

  • Alimentação: mercado e demais alimentos e bebidas consumidos, incluindo as refeições fora de casa.
  • Habitação: itens como água, energia elétrica, gás e aluguel.
  • Artigos de residência: itens como mobiliário, eletrodomésticos e eletroeletrônicos.
  • Vestuário: itens como roupas, calçados, joias e bijuterias.
  • Transportes: itens como combustíveis, transporte público, passagem aérea e despesas com automóvel.
  • Saúde e cuidados pessoais: itens como despesas médicas, medicamentos, plano de saúde e produtos de higiene e beleza.
  • Despesas pessoais: itens como cabeleireiro, hospedagem, recreação e empregado doméstico.
  • Educação: itens como mensalidades de escola, cursos e material de papelaria.
  • Comunicação: gastos com itens como telefonia, internet, streaming e TV por assinatura.
Grupos de despesasGastos em março de 2022Gastos em junho de 2022
AlimentaçãoR$ 2.000R$ 2.200
HabitaçãoR$ 3.000R$ 3.050
TransporteR$ 800R$ 1.000
Despesas pessoais R$ 300R$ 380

Para calcular sua taxa de inflação pessoal, use esta equação:

[Gastos de determinado grupo em junho de 2022 - gastos de de determinado grupo em março de 2022] ÷ [gastos de de determinado grupo em março de 2022] = 0,xxxxxx x 100 = taxa de inflação pessoal 

Usando o exemplo acima, para a taxa de inflação de transporte temos:

(R$ 1.000 - R$ 800) ÷ R$ 800 = 0,25 x 100 = 25% da taxa de inflação pessoal para transporte.

Aqui está a taxa de inflação pessoal de cada categoria de orçamento no exemplo acima:

Grupos de despesasTaxa de inflação pessoal
Alimentação10%
Habitação1,6%
Transporte25%
Despesas pessoais 27%

Calcular sua taxa de inflação pessoal pode ajudá-lo a avaliar por que suas categorias de orçamento aumentaram de custo ao longo do tempo e como você pode neutralizar a inflação geral com pequenas mudanças gerenciáveis ​​​​no estilo de vida ao longo do tempo.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

Como lidar com a alta dos preços

Para diminuir os efeitos da inflação no orçamento, é importante avaliar seu orçamento e ver o que está pesando mais e como pode reduzir.

Além do planejamento financeiro, outra forma de se proteger seu dinheiro da alta dos preços é investir de forma adequada.

Priorize investimentos ajustados pelo IPCA, além de ações de setores que podem facilmente repassar os custos crescentes a seus clientes.

Informe o DDD + 9 dígitos