Se você é uma das pessoas que guia suas finanças pessoais  para a independência financeira, é preciso estar atento aos impactos econômicos causados pela atual instabilidade geopolítica.

A invasão das tropas russas na Ucrânia tem abalado diariamente o mercado financeiro global

O conflito também já despertou ao redor do mundo certa ansiedade em relação às finanças pessoais, que já foram afetadas pelo aumento dos custos com a pandemia de coronavírus.

Globalmente, os jovens até 30 anos estavam entre os grupos que sentiram mais os efeitos econômicos da pandemia de forma mais desproporcional.

Uma pesquisa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, de julho, descobriu que mais de um terço das pessoas de 18 a 29 anos em 25 países relataram dificuldades financeiras na pandemia.

O estudo revelou que essa parte da população acabou sendo mais impactada do que qualquer outra faixa etária.

Agora, no momento em que as pessoas estão começando a se recuperar, a guerra na Ucrânia tem potencial de comprometer a tentativa de recuperação financeira do mundo.

O conflito entre Rússia e Ucrânia já tem mostrado seus efeitos econômicos potencialmente desestabilizadores e de longo alcance.

Então, você está pronto para entender como a guerra pode afetar as finanças pessoais ao redor do mundo?

Veja quais são os principais desafios financeiros a serem enfrentados nesta crise, de acordo como o que especialistas financeiros revelaram ao site CNBC.

Leia até o final e saiba como você pode proteger seu dinheiro dos impactos da guerra.

Custos de Combustível

O principal desafio financeiro que já tem sido enfrentado ao redor do mundo é o aumento dos custos de combustíveis.

Os preços do petróleo foram impulsionados pela crise entre Rússia e Ucrânia, já que as sanções impostas à Rússia geraram preocupações com uma possível interrupção no fornecimento de energia.

Os contratos futuros de petróleo Brent superaram os US$ 100 em 24 de fevereiro, pela primeira vez desde 2014.

Desde então, na terça-feira (8), o preço do petróleo já chegou a superar US$ 130 por barril, atingindo a maior cotação desde julho de 2008. 

As commodities de energia, como o petróleo, já estavam em alta antes da escalada das tensões geopolíticas, alimentando os preços mais altos dos combustíveis.

Consequentemente, os preços que chegam ao consumidor devem aumentar ainda mais nas próximas semanas.

Para amenizar esse impacto no bolso, Sarah Coles, analista financeira pessoal da plataforma de investimentos do Reino Unido Hargreaves Lansdown, deu alguns conselhos.

Além de tentar usar mais o transporte público para reduzir o combustível do carro, o que nem sempre é possível, manter a manutenção do automóvel pode reduzir os custos gerais.

“Isso inclui garantir que seu carro seja revisado regularmente e que os pneus estejam inflados adequadamente”, alertou Coles.

A analista disse que até mesmo remover peso adicional no carro, como barras de teto e cargas pesadas do porta-malas, pode ajudar a economizar.

“Os estilos de direção também fazem uma grande diferença: dirigir mais devagar, na marcha mais alta apropriada e acelerar mais suavemente”, acrescentou.

Quer Melhorar suas Finanças Pessoais? Baixe Grátis o Livro Digital “Como Investir Começando do Zero”.

Impacto nas Importações e Exportações

Os preços do gás natural também subiram após o início da invasão, já que a União Europeia é a maior importadora de gás natural do mundo, segundo a Direção-Geral de Energia da UE.

Nos países do bloco econômico, a maior parte do gás utilizado é proveniente da Rússia, cerca de 41%.

Além disso, ela disse que os custos mais altos de energia na Europa provavelmente também tornaria “cada etapa de processamento e transporte de produtos mais cara”.

Coles afirmou ainda que o conflito também pode significar menos importações e exportações, o que também pode elevar os preços.

Por exemplo, a Rússia é o sexto país de quem o Brasil mais compra produtos. Só em 2021 foram US$ 5,69 bilhões em importações, segundo o Ministério de Comércio Exterior.

Por outro lado, apenas US$ 1,59 bilhão foi exportado pelo Brasil para os russos, principalmente em produtos agropecuários, como soja e carnes.

Já para a Ucrânia foram US$ 211,4 milhões em importações durante 2021, enquanto foram exportados US$ 226,8 milhões, principalmente em amendoim, açúcar e minério de alumínio.

Paul Dales, economista-chefe da Capital Economics no Reino Unido, disse que os aumentos nos preços agrícolas globais nos últimos nove meses sugerem que a inflação dos preços dos alimentos pode subir em breve.

No entanto, ele também destacou que o nível dos preços agrícolas globais não aumentou muito desde o início da invasão russa da Ucrânia.

Turbulência no Mercado de Ações

Se você tem acompanhado os boletins de fechamento do mercado financeiro diariamente, já nota a instabilidade dos mercados de ações ao redor do mundo.

A invasão da Ucrânia pela Rússia já tem causado uma "turbulência de mercado bastante dramática”, como analisou Sara Coles, da Hargreaves Lansdown. 

Por isso, Coles recomendou que os investidores procurem olhar além dos eventos e se concentrem em suas metas financeiras de longo prazo.

“Os movimentos diários do mercado são preocupantes, mas este não é o momento de trocar e abandonar as ações, porque isso pode levar a excesso de negociação e perdas de capitalização.

Para a analista, a atitude mais importante que os jovens investidores podem tomar é garantir que sua alocação de ativos seja diversificada.

“Tenha exposição a uma variedade de geografias e uma combinação de classes de ativos apropriada para sua idade e horizonte de investimento”, recomendou Coles.

Becky O’Connor, chefe de pensões e economias da Interactive Investor, também reconheceu que as preocupações com o crescimento lento e volátil dos investimentos podem assustar algumas pessoas.

Esse cenário também pode afastar os investidores iniciantes da prática de economizar e investir

Entretanto, como destaca O’Connor, “as pessoas têm uma chance muito maior de ganhar dinheiro significativo se puderem deixar seu investimento aplicado por alguns anos”.

Nesses momentos, as pessoas que buscam cortar despesas podem ser tentadas a reduzir suas contribuições para suas reservas de aposentadoria, mas Coles desaconselha isso.

“Ao investir regularmente, significa que você compra quando os mercados estão mais baixos, quando seu aporte compra mais unidades”, explicou a analista.

Isso significa que os investidores que aproveitam para comprar ativos durante a queda do mercado de ação podem ganhar ainda mais quando houver a recuperação.

Então, se você ainda não investe, aproveite as atuais oportunidades da bolsa de valores, você pode baixar gratuitamente o livro digital "Como Começar a Investir do Zero".

E se você já investe, mas gostaria de melhorar sua rentabilidade, faça um teste online de perfil de investidor, receba uma sugestão de carteira e entre na jornada dos milionários.

Quer Melhorar suas Finanças Pessoais? Baixe Grátis o Livro Digital “Como Investir Começando do Zero”.

Taxas de Juros Mais Altas

Os preços mais altos dos combustíveis tendem a aumentar a inflação de forma mais ampla, o que aumenta a preocupação de investidores com as altas das taxas de juros no mundo.

Elliot Hentov, chefe de pesquisa de macropolítica global da State Street Global Advisors, afirmou que acredita que, nos EUA, o Federal Reserve talvez demore um pouco mais para aumentar as taxas.

No entanto, Hentov considera que os planos dos bancos centrais europeus para aumentar as taxas mudaram, já que provavelmente serão mais atingidos pelo risco de estagflação em meio à guerra.

Vale lembrar que a estagflação refere-se a uma combinação de desaceleração do crescimento econômico e aumento da inflação.

Em última análise, as taxas de juros provavelmente subirão ainda mais, junto com a inflação, como o Comitê de Política Monetária (Copom) já vem fazendo com a Selic no Brasil. 

O’Connor explicou que isso deve resultar em um “golpe duplo de curto prazo no aumento dos empréstimos e do custo de vida.

“Em termos de poupança, os aumentos das taxas básicas de juros podem parecer uma coisa boa, mas eles não se sustentam nas contas de poupança”, ressaltou Becky O’Connor.

A especialista explicou que mesmo elevadas, os juros de poupança ainda permanecem “muito atrás” da taxa de inflação dos países.

“É alarmante o quanto o valor do dinheiro mantido na poupança está perdendo em rentabilidade real, alertou.