O que é o Co-branding?

Hoje em dia é nítida a enorme competitividade do mercado, ainda mais quando pensamos no alcance dos meios de comunicação, propaganda e marketing.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

E é nesse cenário em que passa a ocorrer uma disputa muito acirrada entre as empresas, que usando diversos meios, buscam atrair seus consumidores.

No entanto, essa disputa entre as marcas pode não ser benéfica tanto para as empresas concorrentes, quanto para os consumidores. Logo, uma saída para isso é a chamada Co-Branding.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Co-branding nada mais é que uma fusão, uma união, uma cooperação entre duas marcas ou empresas que visam um bem comum.

Essa junção entre ambas marcas possui um grande objetivo, que é o fornecimento de um produto ou serviço único e de qualidade, no qual visa atingir seu público-alvo e minimizar a concorrência.

Qual o melhor planejamento para aderir ao Co-branding?

Esse é um método muito versátil e inovador que as empresas adotam, porém nem tudo é sinal de sucesso, e por isso ter um planejamento antes de introduzir a co-branding é essencial.

Primeiramente é necessário que se avalie a marca a qual sua empresa irá se alinhar. Uma sintonia entre interesses e valores defendidos, independente da grandeza da marca, é muito valiosa.

Isso porque os benefícios devem ser mútuos e gerar lucros para ambas marcas associadas.

Além disso, é importante que se faça um levantamento do público, pois nessa parceria aumenta-se o alcance de consumidores, que pode abranger o seu público, da empresa parceira e um novo tipo de consumidor.

Outro importante fator é a elaboração de um plano de campanha que vise englobar o público-alvo analisado, saber o momento certo de lançá-la, pois assim a chance de sucesso da parceria é maior.

Existem vantagens para empresas que aderem ao Co-branding?

As vantagens do co-branding são inúmeras e muito satisfatórias para as empresas quando essa relação ocorre de forma eficiente.

Dentre elas, uma vantagem muito expressiva é a popularização que a marca atinge, podendo se disseminar por diversos setores do mercado econômico a partir da grande divulgação dos serviços.

Em consequência disso, é comum que as marcas se mantenham no topo e possam assim vencer a concorrência, sendo vantajoso para uma empresa pequena, que demoraria a ter um domínio.

Observando o domínio alcançado, a chance de aumento de lucros é muito promissora, além da divisão das despesas que também acontece, o que favorece a participação das empresas no mercado.

Abaixo listamos algumas das co-branding que tiveram sucesso:

  • Uma parceria mais antiga foi a da empresa McDonald 's um estúdio de cinema: atuavam na divulgação dos filmes através de brinquedos fornecidos junto ao lanche.
  • Outra parceria foi entre Omo e Comfort: promoveram a junção dessas duas marcas impulsionando-as no mercado
  • Parceria entre BMW e Louis Vuitton: associação em que produziam malas que eram ideais ao porta-malas do automóvel da marca BMW.

Quais os riscos de um Co-branding?

No entanto, existem alguns riscos que a parceria de co-branding pode estar suscetível, e falaremos sobre eles.

O principal risco irá se dar justamente quanto a associação das marcas, quanto ao parceiro escolhido, sendo necessário um estudo eficiente acerca das companhias envolvidas.

Há nisso um grande perigo de existir desencontro entre as ideias e valores sustentados por cada empresa, o que pode fragilizar essa relação e gerar prejuízos para todos participantes.

Pode também ocorrer contradição entre o público-alvo atingido por cada marca e isso gerar no consumidor uma visão negativa acerca de uma ou ambas empresas, trazendo o insucesso da parceria.

Por fim, vale ressaltar que essa é uma iniciativa muito promissora, porém seu planejamento e tomada de decisões são cruciais para o sucesso de todos os envolvidos na aliança.