As vendas no Varejo em setembro cresceram 0,6%, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês de 2020.  

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) registrou alta de 13,8%.  

Assim como observado nos meses anteriores, efeitos do abrandamento de medidas de isolamento e o aumento no índice de preços foram fatores que contribuíram positivamente para os valores observados pelo ICVA.  

Também colaborou para a alta a ocorrência de uma quinta-feira a mais, dia forte de comércio, e de uma terça-feira menos, dia em que a movimentação é menor.  

Em compensação, a mudança no dia da celebração do 7 de setembro - uma terça-feira que provocou um feriado prolongado - prejudicou a base de comparação deste ano.  

Ao ajustar os efeitos de calendário, o crescimento nominal foi 14,2% e, descontando a inflação, o faturamento do Varejo cresceu 1,0% em setembro de 2021 ante setembro de 2020.  

Setembro foi o sexto mês seguido de crescimento nas vendas do Varejo. Os destaques são os setores de serviços, como Turismo e Transporte e Alimentação – Bares e Restaurantes, beneficiados pelo abrandamento das medidas de isolamento”, afirma Pedro Lippi, Head de Inteligência da Cielo.  

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

“No entanto, os efeitos inflacionários continuam a contribuir para o crescimento nominal do Varejo. Descontados esses efeitos, ainda estamos em um patamar abaixo de 2019.” 

Inflação 

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo IBGE, apontou alta de 10,25% no acumulado dos últimos 12 meses, com alta de 1,16% em setembro.  

É o maior patamar para o período desde 1994, ano do lançamento do Plano Real. A energia elétrica e os combustíveis foram os itens que mais contribuíram para a elevação dos preços.  

Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo ampliado foi de 13,1%, desacelerando em relação ao índice registrado no mês anterior. 

Trimestre 

As vendas no terceiro trimestre de 2021, descontada a inflação e sem ajustes de calendário, registraram alta de 16,8% ante igual período do ano passado.  

Em termos nominais, também sem efeitos de calendário, o crescimento foi de 3,1%. 

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Resultado da Cielo no Segundo Trimestre de 2021 

resultado da Cielo (CIEL3) no segundo trimestre de 2021 (2t21), divulgado no dia 02 de agosto, apresentou um lucro líquido de R$ 180,4 milhões no 2t21, contra um prejuízo de -R$ 75,2 milhões em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior. 

Ebitda da Cielo atingiu R$ 580,8 milhões no 2t21, apresentando crescimento de 145,9% na comparação com o 2t20. 

margem Ebitda da Cielo totalizou 20,7% no 2t21, apresentando crescimento de 11,1 pontos percentuais na comparação com o 2t20.  

Margem líquida da Cielo atingiu no 15,4% no 2t21, apresentando crescimento de 23,1 pontos percentuais na comparação com o 2t20. 

As ações da Cielo (CIEL3) acumulam alta de 1,14% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e queda de 24,79% nos últimos 12 meses.