O que é o Cheque Administrativo?

Assim como os outros cheques, é um meio de pagamento que dá o direito ao beneficiário de depósito ou saque da quantia indicada no documento.

O cheque administrativo tem seus valores preenchidos e o fundo aprovado pelo banco, ou seja, a segurança de recebimento é garantida pelo banco.

Quando se trata de cheque administrativo, há uma proteção contra a disparidade de crédito em conta, ou seja, há uma proteção contra a geração de um cheque sem fundo.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

A proteção contra ocorrências dessa natureza vale tanto para o emissário quanto para o beneficiário, pois por ter a garantia de saldo, o cheque administrativo se torna mais seguro.

Quando se trata de dinheiro, devem-se analisar as escolhas, as melhores formas de pagamento e seus custos.

O cheque administrativo apresenta uma maior segurança ao beneficiário e garante uma maior tranquilidade na movimentação de altos valores.

O fato da quantia a ser repassada na emissão do cheque já estar na própria instituição, o processo também se torna mais seguro para o correntista do banco.

A movimentação não é feita por dinheiro vivo, e sim por transferência.

Como funciona o Cheque Administrativo?

Para solicitar um cheque administrativo, o titular da conta deve solicitar a emissão para a instituição financeira que irá realizar o preenchimento do documento após verificar a equivalência de crédito disponível.

O emitente deve conter em sua conta bancária o valor sinalizado no cheque. Esse valor será transferido de sua conta pessoal para uma conta do banco.

Os dados do beneficiário devem ser informados ao banco, para que este possa criar o cheque administrativo.

O cheque é recebido pelo beneficiário com fundos garantidos e, após o repasse, o cheque administrativo não pode mais ser sustado.

Quando usar um Cheque Administrativo?

Devido a maior segurança, o cheque administrativo é mais usado para pagamentos que possuem valores muito altos, por exemplo, aquisição de imóveis, aquisição de automóveis, viagens ao exterior, dentre outros.

A escolha pelo cheque administrativo se dá para pagamentos a vista, ou seja, quando o emitente consegue juntar um montante para finalizar sua compra.

O cheque administrativo evita a contratação de financiamento e empréstimos, por exemplo.

Assim que a quantia foi arrecadada, o emitente não precisa fazer grandes saques junto ao banco, e sim solicitar um cheque administrativo e repassá-lo com segurança.

Como solicitar?

O cheque administrativo pode ser pedido para o gerente ou diretamente no caixa do banco, no entanto, será cobrada uma taxa para dar início ao procedimento de emissão.

A responsabilidade pelo valor do encargo cabe ao titular da conta emitente e varia de instituição para instituição.

As taxas cobradas pelos principais bancos, segundo dados do Serasa, são:

  • Bradesco: R$ 28,90
  • Santander: R$ 31,60
  • Banco Original: R$ 25,00
  • Banco PAN: R$ 40,00
  • Itaú Unibanco: R$ 24,00
  • Crefisa: R$ 20,00

Para a emissão do cheque administrativo é necessário informar alguns dados do beneficiário, dentre eles:

  • Nome completo do beneficiário;
  • Banco em que o beneficiário possui conta;
  • Número da agência e da conta corrente;
  • Valor que será emitido.

O cheque administrativo se enquadra na categoria de cheque nominal, por isso a exigência da identificação.

A segurança é uma marca do cheque administrativo, tendo a movimentação exata como requisito.

Após todos os procedimentos, o emitente deve esperar o comprovante de criação do cheque, enquanto o beneficiário aguarda o comprovante de depósito ou saque.

Mesmo com a segurança e garantia oferecida pelo cheque administrativo, sua utilização vem entrando em desuso.

Devido a maior praticidade dadas pelas vantagens da tecnologia, a Transferência Eletrônica Disponível (TED) e o Documento de Ordem de Crédito (DOC) ganharam preferência do usuário, porém com a chegada do PIX a tendência é essa tecnologia substituir as anteriores.