A primeira tranche do empréstimo ao setor elétrico para bancar os custos de medidas adotadas ao longo da crise hídrica no País, anunciado na terça-feira, 16, não foi o que se esperava, "mas foi o possível" na avaliação do presidente da Neoenergia (NEOE3), Mario Ruiz-Tagle, que considerou a solução positiva, pois garante segurança para os investidores.

"É importante valorizar o que foi feito ontem, é uma segurança jurídica que vai garantir investimentos para o futuro.

 Se não tem garantia para os recursos que a Europa está colocando no Brasil, com a garantia que vão ser reintegrados, o ciclo acaba e os custos aumentam", explicou Ruiz-Tagle.

"Se eu entro numa situação de insegurança jurídica, o banco vai emprestar com um taxa maior, um montante menor e menos prazo", complementou.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apresentou ontem, em reunião extraordinária, o limite de R$ 5,3 bilhões para o empréstimo, que ainda precisa da aprovação da diretoria da agência para ser efetivado.

Segundo o executivo, o parcelamento do empréstimo já é um sistema conhecido do setor elétrico e é comum, em um acordo desse tipo, não conseguir tudo o que se quer.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

"Temos aprendido nas últimas crises, não esta de agora, mas dos últimos 10 anos, a resolver o problema por partes, dentro das regras, e cada parte deixa algo em cima da mesa para atingir um acordo.

Era tudo o que eu queria? Não. Foi o possível? Sim" concluiu o executivo.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Resultado da Neoenergia no Quarto Trimestre de 2021

resultado da Neoenergia (NEOE3) no quarto trimestre de 2021 (4t21), divulgado no dia 18 de fevereiro, apresentou um lucro líquido de R$ 635 milhões no 4t21, uma queda de -36% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Ebitda da Neoenergia atingiu R$ 2,4 bilhões no 4t21, apresentando crescimento de 15% na comparação com o 4t20

margem líquida da Neoenergia atingiu 5,5% no 4t21, apresentando queda de -4,3 ponto percentual na comparação com o 4t20.

As ações da Neoenergia (NEOE3) acumulam queda de 2,81% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e queda de 1,33% nos últimos 12 meses.

Fonte: Estadão Conteúdo.