O que é CDO

O CDO, ou Collateralized Debt Obligation na tradução livre significa: Obrigação de dívida colateralizada, é um derivativo que possui lastro em operações de crédito, como hipotecas, títulos de renda fixa, financiamentos e demais linhas de crédito.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

A ideia por trás do CDO está em dividir o risco do crédito com outros agentes do mercado financeiro.

Ao invés do banco que está emprestando os recursos ficar com todo o risco do crédito, o banco faz o CDO e assim, vende parte deles para diferentes pessoas, como investidores, fundos e outros agentes.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

CDO na Prática

Vamos supor que uma instituição financeira está trabalhando forte com a linha de crédito imobiliária.

Essa instituição está emprestando e financiando diversas operações na área imobiliária, e vê que o seu capital próprio está se encurtando.

Por mais que haja bons devedores e outros nem tanto, a instituição não pode continuar financiando sozinha tais operações se não pode vir a quebrar, mesmo que haja uma pequena inadimplência.

Desse modo, para conseguir atuar na área e continuar lucrando com a intermediação do negócio, o banco resolve fazer o CDO de tais financiamentos.

Dentro de cada CDO o banco vai inserindo diferentes devedores, sendo que esses CDO podem ser divididos em duas categorias:

Aqueles que possuem menos riscos, ou os seniores, ou aqueles que oferecem mais riscos, os juniores.

Com esses CDO formados, o banco oferece o produto para fundos de investimento ou para outros bancos.

Esses bancos compram tal produto e assim, eles recebem os rendimentos, que seriam os juros e encargos cobrados nos financiamentos e ficam com a dívida.

Em troca, o banco que emitiu fica com uma comissão. Além dos bancos em si, existem outras pessoas ligadas aos CDO.

  • Os gestores de CDO são os bancos ou instituições financeiras ligadas aos bancos que criam o CDO;
  • Securitizadoras: são as instituições que dão nota ao CDO e os ativos que fazem parte dele;
  • Garantidoras: são instituições que garantem parte do CDO em troca de um prêmio;
  • Investidores: aqui, os investidores geralmente são os bancos e fundos de investimento. A pessoa física até terá acesso ao CDO, mas por meio de fundos, por exemplo.

Vantagens do CDO

O CDO é um produto de renda fixa que é utilizado como instrumento de fundos de investimento e até de previdência privada.

Como estamos tratando de um ativo que possui certa segurança, o CDO é muito utilizado para tais fins, sendo que a rentabilidade é mais atraente do que uma letra do Tesouro, por exemplo.

No Brasil o CDO não existe da mesma forma que ocorre nos Estados Unidos. No Brasil existem outros instrumentos liberados, mas são diferentes.

Aqui nós temos os LCI (Letras de Crédito Imobiliário) que são instrumentos de investimento, onde o banco capta os recursos para financiar linhas de crédito imobiliário e os LCA (Letras de Crédito do Agronegócio).

Os LCA servem para financiar projetos da área do agronegócio. A ideia é similar ao CDO, mas devido a alguns aspectos, como toda a estrutura que existe no CDO, as duas letras são diferentes.

Desvantagens do CDO

Quando um dos agentes financeiros não desempenha o seu papel de forma responsável na criação e comercialização do CDO, as desvantagens podem ser enormes.

Inclusive em 2008 o mundo sentiu na pele as influências dos erros cometidos. A crise hipotecária nos Estados Unidos ganhou força quando os CDO começaram a ser negociados com títulos, e dívidas ruins, ou junk (lixo).

Uma das partes importantes na cadeia do CDO são as securitizadoras, são elas que dão nota ao tranche do CDO (tranche é o grupo de dívidas que vão fazer parte do CDO).

Cada CDO possui várias tranches e elas por sua vez, recebem uma nota para avaliar o grau de segurança do papel.

No auge da crise, tranches que eram junk, recebiam notas elevadas similares a dívidas de baixo risco

Assim, tais CDO eram comercializados facilmente, parando em fundos e previdências. Isso contaminou todo o sistema norte-americano e mundial.

Quando os devedores começaram a não pagar mais, a inadimplência começou a corromper os tranches e quebrar os CDO, em pouco tempo, os bancos ficaram sem liquidez e todo o sistema quase parou.

Tudo isso culminou com a quebra do banco Lehman Brothers. O CDO até pode ser um bom instrumento financeiro, quando bem utilizado e regulado.