A CSU Cardsystem (CARD3) anunciou nesta quarta-feira (23) sua entrada oficial no mercado de Banking as a Service (BaaS), com o lançamento da Blue C Technology.

Por meio da nova unidade de negócios, a CSU tem o objetivo de expandir sua atuação e oferecer uma completa estrutura de produtos e serviços financeiros para empresas de diversos segmentos no país.

Acreditamos que o Open Banking e o BaaS são tendências majoritárias e dominantes no desenvolvimento do mercado de pagamento e crédito no Brasil”, explica Marcos Leite, diretor-presidente da companhia.

Com esta visão, a CSU desenvolveu uma estrutura tecnológica robusta e de alta performance que viabilizará operações dos mais variados perfis de empresas neste segmento”, ressaltou Leite.

O executivo ainda complementa que a CSU estima que o BaaS movimentará cerca de R$ 8 bilhões em 5 anos, enquanto a companhia deve alocar RS$ 150 milhões para alcançar uma participação relevante neste setor.

“Ao nosso favor está o grande background do grupo em outsourcing na área de pagamentos, a robustez e a performance das soluções tecnológicas da CSU”, afirmou Leite.

Serviços da Blue C Technology

A Blue C inicia suas operações com o modelo white label de contas digitais para pessoas físicas e jurídicas.

O negócio irá dispor de soluções em crédito, câmbio, seguros, investimentos, adquirência, como componentes de um Marketplace de serviços financeiros e de valor agregado.

Este modelo é capaz de transformar rapidamente empresas de setores não financeiros em fintechs, de tal forma que elas possam aproveitar as oportunidades associadas à tendência mundial de embedded finance.

Para compor o time da nova unidade, a CSU contratou executivos-chave dos setores de TI e negócios, que serão liderados por Alexandre Pinto, que possui larga experiência na área de tecnologia e serviços bancários.

Segundo o profissional, o país vive uma terceira onda de inovação no mercado financeiro, com iniciativas como o Pix e o Open Finance, muito propícia para a evolução do Banking as a Service.

“Vimos o nascimento e ascensão das fintechs ‘puras’ e de bancos digitais para o público em geral, em um segundo momento, a caminhada de grandes varejistas rumo à oferta de soluções financeiras para os seus clientes e, agora, é chegada a hora para empresas dos demais setores”, defende Alexandre.

O executivo complementa: “qualquer companhia com um volume relevante de clientes ou um bom relacionamento com seus stakeholders pode se beneficiar como um provedor de serviços financeiros digitais.

De acordo com Alexandre Pinto, essa é uma maneira de estreitar o relacionamento com seu público, entender melhor seu comportamento de compra e gastos.

“Além de, ainda, alavancar o business central destas empresas”, destacou o executivo.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Banking as a Service da CSU

A Blue C já nasce como a plataforma mais bem preparada para ser o parceiro ideal das empresas interessadas em Banking as a Service.

Sob a estrutura da CSU, a Blue C conta com a credibilidade, tradição e segurança de uma empresa com 30 anos de atuação e que possui mais de 28 milhões de cartões em sua base de serviços.

Sua solução BaaS conta também com o licenciamento de plataformas tecnológicas de última geração, como o core bancário Technisys, considerado um dos mais avançados do mercado mundial e utilizado para a gestão de mais de 100 milhões de contas em 16 países.

O diretor-executivo de Relações com Investidores da CSU, Ricardo Leite, destaca que a Blue C será o principal veículo e vetor de expansão da Companhia no setor de BaaS.

O executivo apontou que combinada com as ações de M&A no segmento, deverá resultar em uma expressiva taxa de crescimento no futuro.

“A CSU continuará dando foco na ampliação de seu crescimento nas diversas modalidades do crédito, pagamento e na economia digital”, conclui o executivo.