O que é Câmbio Nominal

Câmbio Nominal, ou taxa de Câmbio Nominal, é um termo da economia que se refere ao valor em moeda nacional necessário para adquirir uma unidade de moeda estrangeira.

Em termos práticos, o Câmbio Nominal nada mais é do que a representação numérica exata de quanto de uma moeda nacional é necessária para comprar uma unidade de moeda estrangeira.

Sendo assim, o Câmbio Nominal nada mais é do que o valor preciso da paridade, por exemplo, R$ 3,24, em primeiro de janeiro de 2016, para comprar US$ 1.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Características Câmbio Nominal 

Conforme Mellagi Filho define, a taxa de câmbio nominal é o preço de uma unidade de moeda estrangeira em moeda nacional. Assim, se um dólar vale quatro reais, a taxa de câmbio nominal do Real é quatro.

Diferentemente de outras formas de câmbio, o Câmbio Nominal tem características próprias.

Primeiramente, é importante ressaltar que cada país, e sua respectiva moeda, terão uma paridade diferente em relação às moedas dos outros países comercialmente disponíveis.

Além disso, essa taxa de câmbio nominal apresentará cotações diárias, conforme as alterações normais da oferta e da demanda, podendo sofrer mudanças mesmo ao longo de um dia.

Isso significa que, quando não houver intervenções do Banco Central, a variação do Câmbio Nominal funcionará como qualquer mercadoria disponível para a venda.

Em terceiro lugar, esse valor não leva em consideração os efeitos inflacionários, ou seja, a taxa de Câmbio Nominal não leva em consideração as taxas de inflação, nem interna e nem externa.

Em razão disso, embora a taxa de Câmbio Nominal seja utilizada diariamente por investidores, inclusive para quem investe em dólar ou fundos cambiais, os economistas indicam que a taxa real é que deveria ser mais analisada.

Câmbio Nominal e Câmbio Real 

Podemos afirmar categoricamente que quase todas as economias mundiais apresentam algum tipo de inflação nos preços, isto é, é normal que os preços sofram pequenos aumentos em um determinado período.

Portanto, por exemplo, se a inflação brasileira de um ano para o outro foi de 5%, com o mesmo valor em espécie, nesse ano, compraremos 5% a menos em produtos.

Em uma economia com percentual alto de exportação, isso se torna mais complexo, pois os custos de produção também deverão levar em conta as trocas entre moedas realizadas pelo exportador.

Nesse caso, o Câmbio Nominal se torna pouco eficiente ao desconsiderar as inflações.

A Taxa de câmbio real, diferentemente da nominal, é um indicador que se altera conforme as inflações, sendo portanto a taxa de câmbio nominal em conformidade com o preço doméstico e vigente nos países.

O cálculo é simples: basta multiplicar a taxa de câmbio nominal pela inflação da moeda estrangeira e, em seguida, dividir esse valor pela inflação do mercado nacional no mesmo período.

Para consultar os valores das taxas de câmbio nominal basta acessar o site do IPEA, onde estão disponíveis os valores desde 1930.

Câmbio Nominal e Regime Cambial 

Dissemos acima que quando não há interferência do Banco Central, a variação do Câmbio Nominal é como qualquer mercadoria. Isso está diretamente relacionado com o Regime Cambial de um país.

O regime cambial é o conjunto de regras e acordos, determinados pelo Banco Central, que definem a forma pela qual são feitas as transações financeiras no país.

Grosso modo, existem três tipos diferentes de regime cambial: câmbio fixo, câmbio flutuante e banda cambial, cada um com uma influência distinta sobre o Câmbio Nominal.

O câmbio fixo, resumidamente, acontece quando o Banco Central trava o valor da moeda estrangeira, fixando a paridade entre o real e tal moeda.

A banda cambial, em geral a situação intermediária, destaca-se por definir limites de flutuação para o valor da moeda.

Por fim, o câmbio flutuante, atualmente adotado no Brasil, caracteriza-se por permitir que a relação entre oferta e demanda defina o valor da moeda e da paridade.