O que é Câmbio

Câmbio é uma operação financeira caracterizada pela comparação de troca entre duas moedas de países diferentes cujo objetivo, em geral, é permitir o intercâmbio financeiro entre os países.

Em termos mais simples, Câmbio é a troca de uma moeda de determinado país por uma moeda de outro país, exprimindo portanto a relação e o preço entre as moedas de países diferentes.

Quando essa comparação é feita de forma a revelar o valor de uma moeda sob a outra, denominamos taxa de câmbio. Portanto, a taxa de Câmbio é o custo de uma moeda em relação à outra.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Operações de Câmbio 

Conforme mencionado acima, o Câmbio é o instrumento legal e financeiro que permite o intercâmbio entre os países, seja no âmbito de seus governos, seja no que se refere aos indivíduos.

Existem quatro operações de câmbio mais comuns, isto é, aquelas que em geral dominam o mercado de câmbio, o ambiente no qual são realizadas as operações com autorização do Banco Central.

  • Câmbio para turismo - compra de moeda estrangeira em espécie ou em cartões, como dólar ou euro, a fim de utilizá-la em viagens através das corretoras de câmbio
  • Remessas pessoais - envio de dinheiro para algum parente ou cliente no exterior
  • Importação e exportação - aquisição de produtos estrangeiros para venda em território brasileiro ou exportação de mercadorias brasileiras também envolvem operações de câmbio
  • Investimentos - uso de moedas estrangeiras ou fundos cambiais na carteira como forma de diversificar os investimentos

Todas essas operações devem ser feitas em instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central, cuja responsabilidade é executar e fiscalizar a política cambial definida pelo Conselho Monetário Nacional.

Além disso, o Banco Central também pode atuar no mercado de câmbio comprando e vendendo moeda estrangeira de forma ocasional a fim de melhor regular o mercado e a taxa de câmbio.

Como funciona Câmbio 

Uma melhor compreensão do funcionamento do Câmbio no mercado mundial requer a exposição da taxa de câmbio e, consequentemente, dos regimes cambiais.

A taxa de câmbio, como dito acima, é o custo de uma moeda em relação a outra. 

Por exemplo, no dia primeiro de janeiro de 2018, o dólar comercial custava 3,24. Portanto, a taxa de câmbio estava 1 dólar para 3,24 reais.

Essa taxa de câmbio varia conforme o regime cambial adotado pelo governo de um país, que pode variar entre três tipos: câmbio fixo, câmbio flutuante ou banda cambial.

No câmbio fixo, o valor da moeda estrangeira é travado, ou fixado, pelo governo. Assim, o governo estabelece uma paridade pré-fixada para a moeda estrangeira.

Por outro lado, o câmbio flutuante é determinado através da relação entre oferta e demanda, sem muitas interferências governamentais. Nesse caso, o Banco Central pode comprar ou vender moeda, mas não fixa o preço.

As moedas, assim, oscilam livremente e o valor da moeda se torna mais real.

Por fim, a banda cambial é um regime marcado por limites de flutuação estipulados pelas autoridades monetárias do país. É quase como um intermediário entre o fixo e o flutuante.

Regulação Câmbio 

Além de ser responsável pela política cambial vigente, o Banco Central é o principal órgão de regulação do câmbio e também do mercado de câmbio.

Suas diretrizes oferecem às financeiras, aos bancos e aos investidores um conjunto de regras e condutas para a atuação.

O Brasil, quando adotou o Real como moeda, em meados de 1994, estipulou a banda cambial como regime vigente até 1999. A partir daí, o Banco Central tornou o câmbio flutuante.

No entanto, o câmbio brasileiro é conhecido como “flutuante sujo”, pois embora a oferta e a demanda definam a taxa de câmbio, o próprio Banco Central intervém quando é preciso elevar ou depreciar o Real.