O que é Brexit

Brexit é o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, iniciado em 2017 e concluído em 31 de Janeiro de 2020, quando o Reino Unido deixou a União Europeia e tornou-se o primeiro país a fazê-lo.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

O Brexit prevê o fim da livre circulação de pessoas, a imposição de controles aduaneiros e a limitação de serviços e produtos que antes fluíam entre a Europa e Reino Unido sem grandes restrições.

O termo vem da junção das palavras em inglês Britain (Bretanha) e exit (saída).

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Brexit e União Europeia 

A União Europeia (UE) é uma união econômica e política de 27 países situados na Europa, criada em 1957. Seus principais objetivos são: 

  • Instituir um mercado comum 
  • Assegurar a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais.
  • Garantir a paz entre os países europeus (fator importante após a Guerra Mundial) 
  • Garantir de legislações de assuntos comuns 
  • Criar políticas comuns de comércio, agricultura, e desenvolvimento regional.

Em 1999,  foi criada a Zona do Euro, composta por 18 membros da União Europeia. O objetivo é garantir uma moeda única entre os países, a fim de garantir mais estabilidade econômica aos países membros. 

O Reino Unidos entrou para a União Europeia em 1973, mas não integrou-se à Zona do Euro, mantendo sua moeda (libra). 

Processo do Brexit 

Existem grupos que pedem pela saída do Reino Unido da União Europeia há muitos anos, principalmente motivados pela xenofobia. Contudo, foi somente nos últimos anos que essa se tornou uma possibilidade mais palpável. 

Em 23 de junho de 2016, o Reino Unido realizou consulta popular para decidir se o país deveria permanecer na União Europeia ou deixar o bloco. Com 51,9% dos votos, ganhou a posição favorável à saída.

Até 2020, o país manteve as regras vigentes antes da formalização do Brexit, por se tratar do período de transição, especialmente no que diz respeito ao campo comercial. Enquanto isso, negociou-se as novas regras.

Oficialmente, o Reino Unido deixou a União Europeia em 31 de janeiro de 2020, mas as principais mudanças passaram a ser mais notadas em 2021, quando se encerrou o período de transição. 

O que mudou com o Brexit 

De forma geral, o Brexit alterou as regras de para o fluxo de mercadorias, serviços e pessoas.

A principal mudança diz respeito ao fim da livre circulação: antes do Brexit, era possível trabalhar e estudar no Reino Unido apenas com o passaporte europeu. Agora, será possível continuar viajando sem visto, mas apenas para estadias curtas.

Por isso, há mudança nos vistos de trabalho. Os europeus que desejam trabalhar no Reino Unido terão que se inscrever online para obter um visto e atender diversos pré-requisitos. 

Serão solicitados a apresentar uma oferta de trabalho, nível de inglês suficiente e um salário de pelo menos 25.600 libras por ano, entre outros critérios que compõem um sistema baseado em pontos.

No que diz respeito ao fluxo de mercadorias, não haverá tarifas adicionais entre exportações e importações, mas serão impostos controles de segurança na alfândega que podem atrasar a troca fluida de mercadorias.

Consequências do Brexit para o mercado

No dia seguinte ao referendo, a libra esterlina registrou uma forte queda, assim como a bolsa de valores. Como consequência, o governo britânico baixou as taxas de juros e fez empréstimos bancários para conter uma possível perda de capitais. 

Algumas empresas mudaram suas sedes para países como Holanda e França e houve uma desvalorização da libra esterlina frente ao dólar e ao euro no período das negociações.

Contudo, a pandemia de coronavírus alterou fortemente o cenário e aumentou as incertezas em relação às possíveis consequências da saída do Reino Unido da UE.