Bradesco (BBDC4) Anuncia Meta de Descarbonizar Carteiras até 2050
| , ,

Bradesco (BBDC4) Anuncia Meta de Descarbonizar Carteiras até 2050

O Bradesco também se comprometeu com suas metodologias e requisitos de gestão e transparência relacionados ao Meio Ambiente.

Por
Atualizado em 06/07/2021

O Bradesco (BBDC4) anunciou nesta terça-feira, 6, que firmou o compromisso de descarbonizar suas carteiras de crédito e investimentos até 2050, ou antes, de acordo com as metas do Acordo de Paris sobre o Clima.

O Bradesco também declarou que se tornou o primeiro banco brasileiro a aderir ao Net-Zero Banking Alliance (NZBA) da UNEP FI (braço financeiro do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) e a se comprometer com suas metodologias e requisitos de gestão e transparência relacionados ao tema.

Banner will be placed here

“A iniciativa reforça a gestão climática e a ambição do Bradesco de financiar a transição para uma economia mais limpa, eficiente e resiliente”.

“O compromisso faz parte da Estratégia de Sustentabilidade da Organização, de seu posicionamento frente à crise climática e também contribui com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) priorizados pelo Bradesco, em especial o ODS 13 (combate às mudanças climáticas), afirma a empresa em comunicado.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Resultado do Bradesco no Primeiro Trimestre de 2021

O resultado do Bradesco (BBDC4) no primeiro trimestre de 2021 (1t21), divulgado no dia 04 de maio, registrou um lucro líquido recorrente de R$ 6,5 bilhões no 1T21, apresentando crescimento de 73,6% na comparação com o 1T20.

A margem financeira do Bradesco atingiu R$ 15,6 bilhões no 1T21, apresentando crescimento de 7,4% na comparação com o 1T20.

O Índice de Basiléia do Banco Bradesco em março de 2021, totalizou 15,8%, apresentando retração de -0,4 ponto percentual na comparação com dezembro de 2020.

As ações do Bradesco (BBDC4) acumulam queda de 4,44% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 32,50% nos últimos 12 meses.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Estadão Conteúdo.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE