O que foi a BM&F

BM&F foi a maior bolsa do mercado brasileiro para negociação de contratos futuros. A sua sigla significa Bolsa de Mercadorias e Futuros.

Contratos futuros são aqueles que acabam obrigando tanto o vendedor quanto o comprador a negociar os ativos por um determinado preço no futuro.

A BM&F (atual B3) era a Bolsa responsável pela negociação desses contratos e foi a única dessa categoria por muito tempo em solo nacional.

Após se unir a outras organizações acabou se tornando uma nova instituição.

A Bolsa surgiu da fusão entre a Bolsa de Mercadorias de São Paulo e a Bolsa Mercantil de Futuros, além disso, ela acabou sofrendo outras fusões com o passar do tempo.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O que é a BM&FBovespa

Antes de explicar melhor o processo de fusão entre a BM&F e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) é importante explicar a história e características de cada uma.

Assim como a BM&F era uma referência no mercado, a Bovespa também possuía valor equivalente. Por meio dela que as ações brasileiras eram negociadas.

É válido ressaltar que, durante muito tempo, sempre houve outras Bolsas de Valores em nosso país, porém nunca existiu alguma que conseguiu fazer frente à Bovespa.

Durante o ano de 2008, ela continuou agindo normalmente com suas funções administrativas, passando por diferentes modernizações.

Porém, no ano de 2005, deixou de ser uma associação civil sem fins lucrativos, para se tornar uma companhia de capital aberto.

Sendo assim, o Ibovespa se manteve como o principal índice brasileiro de ações desde janeiro de 1968.

Por sua vez, no ano de 2008 a BM&F e Bovespa se fundiram e nasceu, portanto a BM&FBovespa.

Contratos futuros da BM&F

Os contratos futuros da BM&F nada mais são do que ativos negociados na Bolsa de Valores que nada mais são do que o Mercado Futuro.

Antes de falar um pouco mais sobre ativos que são negociados na bolsa, é válido ressaltar que esses ativos são instrumentos financeiros com valores que derivam de ativos.

Eles são utilizados para se proteger da variação nos preços ou realizar lucros.

Em relação a esses contratos, é válido ressaltar que eles se dividem em derivativos financeiros e derivativos agropecuários.

Conheça melhor alguns dos derivativos financeiros:

  • Dólar americano;
  • Índice Bovespa;
  • Índice S&P 500;

Em relação aos derivativos agropecuários, podemos citar os seguintes exemplos abaixo:

  • Milho;
  • Café;
  • Boi Gordo.

Vale ressaltar que nem todo mundo conhece esse segmento que existe da Bolsa de Valores. Porém, quem conhece a BM&F sabe que ela pode entregar bons resultados investindo da maneira certa.

Surgimento da B3

Com o passar do tempo acabaram surgindo novas mudanças. Após cerca de 9 anos do surgimento da BM&FBovespa surgiu uma nova Bolsa de Valores no país.

Isso acabou ocorrendo por uma série de fatores, dos quais alguns eram o fato de ainda existir a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip).

Ela era focada em realizar vários tipos de serviços para os investidores do mercado financeiro, dentre os quais um dizia respeito à guarda dos títulos negociados nas Bolsas.

Sendo assim, após a Cetip se fundir a BM&FBovespa acabou surgindo uma nova organização: a B3.

O nome atual da Bolsa significa "Brasil, Bolsa, Balcão", e a companhia atualmente é supervisionada pelo Banco Central.

Atualmente, a B3 é uma das maiores Bolsas de Valores do mundo, e os volumes negociados pelos investidores acabam crescendo cada vez mais.

Ou seja, ela acaba se mostrando uma das maiores entidades em relação ao número de clientes e gestão administrativa.