Bill Gates enfatizou a necessidade urgente das empresas investirem em tecnologias verdes emergentes à medida que a luta contra as mudanças climáticas se intensifica.

Falando por videoconferência no evento virtual Agenda de Davos, na quarta-feira, Gates disse que o apoio e o investimento do setor privado são necessários para tornar as novas tecnologias mais amplamente disponíveis.

Já existem desenvolvimentos ecologicamente corretos em áreas como hidrogênio verde, captura direta de ar e combustível de aviação limpo, mas as empresas precisam ajudar a construir e se tornar clientes desses produtos para torná-los mais acessíveis, disse ele.

“No final, tudo se resume à economia. Temos que torná-lo muito mais econômico”, disse Gates, cuja empresa Breakthrough Energy investe em tecnologias sustentáveis.

“Juntar essas novas tecnologias com as grandes empresas, que têm habilidades para construir essas coisas em escala, vejo isso como uma agenda urgente.”

Os comentários vêm meses após a COP26 em Glasgow, que viu compromissos recordes com a ação climática do setor privado. Isso incluiu assinaturas corporativas da First Movers Coalition, uma iniciativa de investimento sustentável lançada pelo Fórum Econômico Mundial e pelo enviado climático dos EUA, John Kerry.

Também falando na quarta-feira, Kerry elogiou o “engajamento sem precedentes do setor privado” na COP26, chamando-o de parte vital da solução.

“Nenhum governo no mundo tem a quantidade de dinheiro que precisamos para afetar essa transição”, disse ele na Agenda de Davos. 

“Será o investimento do setor privado e a descoberta do setor privado mais do que qualquer outra coisa... é isso que vai nos tirar desse buraco.”

Kerry também enfatizou a urgência de mais empresas se envolverem.

“Sabemos que podemos fazer as coisas. Agora temos que acelerar o processo o mais rápido possível”, disse ele. “Essa é a visão que temos que trazer para a mesa nos próximos meses e anos.”

Na semana passada, o Fórum Econômico Mundial publicou seu Relatório de Riscos Globais 2022 , no qual a falha em agir sobre as mudanças climáticas foi citada como o maior risco global nos próximos 10 anos.

Em um relatório separado também divulgado na semana passada, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica descobriu que 2021 foi um dos anos climáticos mais catastróficos já registrados.

“O relatório da NOAA deve assustar qualquer um”, disse Kerry. “Nós realmente estamos vendo pontos de inflexão alcançados e o imperativo de se mover mais rápido realmente não poderia ser maior.”

Fonte: CNBC