O que são bens imobilizados

Bens imobilizados são todos aqueles que são usados para a realização de atividades diretas por meio de uma empresa.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Esses bens da empresa acabam fazendo parte do que é considerado o patrimônio de uma empresa, e por conta disso acabam sendo discriminados no balanço da empresa.

Vale ressaltar que, os bens para serem considerados imobilizados devem possuir uma natureza tangível, ou seja, devem ser concretos.

Uma outra característica muito importante dos bens imobilizados é que eles devem possuir a perspectiva de serem utilizados por menos de 1 ano.

Sendo assim, espera-se que esses bens tragam algum retorno financeiro para o investidor no fim das contas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Gastos com bens imobilizados

Os bens imobilizados acabam gerando, de certa forma, uma série de gastos para a empresa, dos quais é possível destacar 3.

Um desses gastos é o de compra, o qual acaba envolvendo não apenas o preço do bem, mas também os impostos atrelados a ele.

Outro custo que também é frequentemente atribuído aos bens imobilizados são os bens atribuíveis, que nada mais são que os custos de instalação dele.

É válido ressaltar que muitas vezes, quando falamos sobre bens imobilizados acabamos falando sobre grandes máquinas que precisam ser instaladas para o funcionamento ideal.

Em geral, é necessário arcar com os custos do procedimento em si, pois dificilmente a empresa que comprou o bem acabará destinando mão de obra específica para isso.

Um outro custo que envolve os bens imobilizados, é o fato de que é preciso desmontar o bem para movê-lo de lugar. Sendo assim, é importante que a empresa responsável fique ciente desse custo.

Bens imobilizados e sua depreciação

Pelo fato dos bens imobilizados se caracterizarem por possuir uma natureza tangível, é comum eles acabarem sofrendo alterações com o tempo.

Essa depreciação, que está ligada à quantidade de uso, pode acabar causando uma perda do valor do produto em si com o decorrer do tempo.

A depreciação por bens imobilizados muitas vezes acaba gerando um custo adicional para a empresa.

Como esses bens são de vital importância para a empresa, a companhia sempre precisa acabar escolhendo entre reutilizar o bem imobilizado ou adquirir outro.

Porém, fica evidente que o modo como as companhias lidam com a depreciação de seus bens acaba variando de empresa para empresa.

Em uma empresa da área de metalurgia se torna evidente que os bens acabaram se tornando mais desgastados do que em uma empresa da área de Tecnologia.

Sendo assim, essas empresas devem ter sempre em mente que devem estar preparadas para a troca de equipamentos, até mesmo porque isto deve constar no balanço patrimonial.

Cálculo da depreciação de bens imobilizados

É válido ressaltar que para prevenir a empresa de possíveis danos causados nos bens imobilizados, as empresas podem acabar adquirindo uma provisão deles.

Porém, é evidente que o valor envolvido não acaba sendo alto e muito menos aleatório, pois existe uma regra de cálculo envolvida no custo a ser arcado.

Máquinas, equipamentos e móveis acabam possuindo uma taxa de depreciação de 10% e vida útil de aproximadamente 10 anos.

Por sua vez, os imóveis acabam possuindo uma taxa de depreciação de 4% e vida útil de aproximadamente 25 anos.

Os veículos são os bens que acabam possuindo a maior taxa de depreciação: 5 anos e 20% respectivamente.

Outros artigos, como os de informática por exemplo, acabam possuindo uma vida útil menor e uma maior taxa de depreciação dada a sua fragilidade.

Considerando o que foi dito, é possível fazer as contas para ter uma noção de quanto tempo será necessário para uma substituição ou reparo de um bem imobilizado e manter a atividade funcionando.