O que é Barreira de baixa

Barreira de baixa é uma característica de determinados investimentos da bolsa de valores que os tornam seguros contra perdas relacionadas à desvalorização.

Se um produto financeiro for protegido por uma Barreira de baixa, isso significa que não importa o quanto esse produto desvalorize, existe uma margem segura para o investidor.

Investimentos deste tipo estão classificados dentro da renda variável, porém são considerados mais conservadores.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O conceito da Barreira de baixa

A maioria dos investidores ainda insiste em investir em renda fixa, pois acreditam que este seja um investimento mais garantido e seguro, com menos volatilidade.

E esse pensamento não está errado. No entanto, tanta previsibilidade de ganhos intrínseca nos produtos da renda fixa, também acaba servindo para limitar o lucro.

A renda variável, por outro lado, possui uma perspectiva de ganhos quase ilimitada, que andam lado a lado com a perspectiva de perdas.

Todavia, isso não significa que não haja formas alternativas de investir objetivando um maior lucro, porém correndo relativamente poucos riscos.

Tudo que o investidor precisa fazer é encontrar um produto que possua uma Barreira de baixa descrita em suas características.

Um produto que possui uma Barreira de baixa garante ao investidor que o seu investimento não será perdido caso aconteça desvalorização. Na prática seria assim:

  • O investidor investe em um produto protegido por uma Barreira de baixa;
  • O valor dessa Barreira de baixa é o valor investido;
  • Se o produto desvalorizar, o investidor poderá resgatar exatamente o valor investido.

No entanto, vale duas ressalvas. A primeira é que a Barreira de baixa não calcula as perdas ocasionadas pela inflação. A segunda é que existe a Barreira de alta.

Barreira de baixa e Barreira de alta na prática

É preciso explicar que como a Barreira de baixa trata-se de uma vantagem para o investidor, existe certamente algum custo para mantê-la. Esse custo é a Barreira de alta.

E assim como o nome implica, a Barreira de alta é um limite imposto aos ganhos daquele produto. Um limite que se ultrapassado não será repassado ao investidor.

A barreira de alta nada mais é do que a contrapartida da existência da Barreira de baixa. É a forma como os administradores do produto protegido conseguem financiar a proteção.

Todo produto protegido por uma Barreira de baixa possui uma Barreira de alta. O que diferencia um produto do outro são justamente os limites impostos pela Barreira de alta.

Dependendo do investimento, a Barreira de alta pode ser vista como um pequeno preço a se pagar pela garantia de que não haverá perdas para o investidor.

Por outro lado, a Barreira de alta faz com que o produto protegido acabe se assemelhando a renda fixa, o que pode não ser atrativo para o investidor arrojado.

Barreira de baixa e o COE

O COE (Certificado de Operações Estruturadas) é o principal investimento relacionado às Barreiras de baixa. 

Este produto é relativamente novo no mercado brasileiro, apesar de alternativas semelhantes serem bastante comuns no mercado Europeu e Americano.

Um COE consiste na compra de um título emitido por um banco que aplica boa parte do seu capital em produtos de renda fixa e o restante em produtos de renda variável.

Olhando de longe pode até parecer um fundo de investimento, porém existem algumas diferenças primordiais. São estas:

  • Valor mínimo de investimento;
  • Indexador definido;
  • Data de vencimento (se o dinheiro for retirado antes pode haver perda com deságio);
  • Apresenta cenários diferentes ao investidor.

Outro ponto muito importante sobre o COE é que, apesar de ele ter uma Barreira de baixa, ele não possui garantia pelo FGC

Em outras palavras, mesmo que o investidor esteja protegido de perder o dinheiro do investimento dentro do produto, sempre existe a rara possibilidade de uma falência do emissor.