Os bancos centrais devem tentar minimizar uma desaceleração econômica, se possível, mas devem priorizar domar a inflação acima de qualquer outro objetivo, pediu o Banco de Compensações Internacionais (BIS).

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Se eles não controlarem a inflação, correm o risco de que as atuais altas taxas de aumento de preços se tornem arraigadas, de acordo com estrategistas do BIS, que coordena a política monetária nos bancos centrais do mundo.

"A recessão do COVID e a expansão subsequente... levou a pressões inflacionárias mais altas ao lado de vulnerabilidades financeiras elevadas", escreveram os estrategistas do BIS em um relatório anual publicado na segunda-feira. 

"Esta combinação é historicamente sem precedentes".

Durante a pandemia de coronavírus, as economias desaceleraram à medida que os bloqueios e outros impactos atingiram os gastos do consumidor, as cadeias de suprimentos e a produção industrial. 

Depois que as restrições foram levantadas e as economias se abriram novamente, os preços das casas, os mercados de ações e os salários dispararam em um ambiente de baixas taxas de juros, altos gastos fiscais e demanda reprimida.

Em maio, a inflação atingiu uma alta de quatro décadas de 8,6% nos EUA e atingiu um recorde de 8,1% na zona do euro. 

Em resposta, o Federal Reserve elevou as taxas de juros em 75 pontos base, enquanto o Banco Central Europeu planeja fazer sua primeira alta de juros em 11 anos em julho.

No Brasil o cenário é semelhante. O Banco Central vem elevando os juros desde março de 2021 para tentar conter a inflação.

Após 11 aumentos consecutivos, a Taxa Selic está em atuais 13,25% ao ano.

Ao redor do mundo muitos investidores estão preocupados que o aumento das taxas em um ritmo muito rápido cause uma recessão ou um crash no mercado de ações. 

A incerteza sobre o caminho e o resultado de seu aperto monetário levou à volatilidade nas bolsas de valores.

Os bancos centrais em todo o mundo estão avaliando o equilíbrio entre o foco no combate à inflação, o que exigiria aumentos fortes e rápidos das taxas de juros, ou na prevenção de uma recessão, o que provavelmente significaria uma abordagem mais branda.

"O novo ambiente inflacionário mudou o equilíbrio de riscos", disseram estrategistas do BIS. "Os bancos centrais não enfrentam esse desafio há décadas."

Deixar de agir agora significaria que o aumento dos preços se tornaria uma característica permanente das economias desenvolvidas, o que provavelmente exigiria aumentos agressivos das taxas de juros no futuro, acrescentou o BIS.

"Atrasar o ajuste necessário aumenta a probabilidade de que aumentos futuros ainda maiores e mais caros da taxa básica de juros sejam necessários, principalmente se a inflação se consolidar", escreveram seus estrategistas.

O presidente do Fed, Jerome Powell, alertou que uma desaceleração econômica de curto prazo pode ser a única maneira de controlar a inflação.

"O processo de baixar a inflação para 2% também incluirá alguma dor", disse Powell no mês passado. "Mas, em última análise, a coisa mais dolorosa seria se não resolvêssemos isso e a inflação ficasse entrincheirada."

Fonte: Business Insider