O que é bailout

O bailout é um instrumento de socorro financeiro geralmente empregado na iminente falência de grandes organizações financeiras.

Trata-se de um artifício utilizado pelo Governo e seus órgãos reguladores para oferecer ajuda a empresas de grande importância para a economia e para a sociedade.

Na decretação de um bailout, o governo se compromete a injetar dinheiro na instituição próxima da falência, contribuindo para a sua recuperação e liquidez.

Em geral, essa injeção de recursos financeiros, ocorre por meio do pagamento de dívidas ou então pela compra de ativos da empresa em questão, mas pode também chegar, através de outros meios.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o bailout na prática

Como citado anteriormente, o bailout é uma espécie de socorro financeiro governamental a empresas de grande porte e importância para a economia de um país, mas que estejam em situação de falência.

Considerando, que em caso de falência da empresa beneficiada pelo bailout, os prejuízos econômicos e para a sociedade em geral seriam  de grandes proporções.

Logo, o governo pode decidir intervir, fazendo uso, dentre outros, dos seguintes instrumentos, atrelados ao bailout:

  • Concessão de empréstimos;
  • Compra de ativos;
  • Pagamento de dívidas;
  • Compra de ações;
  • Injeção direta de dinheiro no caixa da empresa.

Vale destacar, que no bailout, o governo acaba assumindo o ônus da dívida, sendo esse um procedimento de ajuda financeira pouco comum e utilizado apenas como último recurso.

Para que fique mais claro, vamos imaginar que a Petrobras estivesse próxima de decretar falência. 

Sendo essa uma empresa de significativa importância para a economia e para a sociedade brasileira como um todo, o governo poderia fazer uso do bailout para oferecer socorro econômico à empresa.

Diferenças entre o bailout e o bail in

Muito semelhantes entre si, o bailout e o bail in funcionam como instrumentos de socorro financeiro para empresas relevantes em situação de falência iminente.

No entanto, apesar da semelhança no nome e nos seus objetivos, é importante conhecer as diferenças entre ambos os instrumentos:

Bailout: Conforme comentado anteriormente, no bailout o governo utiliza de diferentes artifícios e mecanismos para oferecer socorro e ajuda financeira a instituições relevantes para a economia local.

Bail in: Por sua vez, no bail in, o governo não oferece ajuda financeira direta, mas autoriza a empresa beneficiada a deixar de honrar o pagamento de determinados credores.

Principais eventos recentes de bailout

Um dos casos mais recentes e conhecidos de bail out, foi o promovido pelo governo americano durante a crise econômica de 2008.

Na ocasião, o governo dos Estados Unidos, criou um fundo de US$ 700 bilhões de dólares, com o objetivo de prestar auxílio financeiro e comprar ativos de instituições financeiras próximas à falência.

Destaca-se também, o auxílio financeiro recebido por montadoras como a Chrysler e a General Motors, que receberam recursos financeiros do governo americano, sob a forma de empréstimo.

É importante destacar que o bailout é mais acionado em países com economia forte e com recursos em caixa para prestar socorro a organizações da iniciativa privada.

Ademais, cabe ressaltar, que esse socorro pode vir também de países estáveis economicamente para países em dificuldades financeiras e econômicas.

A Grécia, por exemplo, país europeu que esteve mergulhado em uma grave e profunda crise econômica, chegou a receber cerca de US$ 350 bilhões de dólares da União Europeia.

O aporte financeiro cedido pela União Europeia, foi fundamental para socorrer a Grécia do colapso econômico em que se encontrava aquele país, após a crise de 2008.

Pouca gente sabe, mas o Brasil também já recebeu auxílio por meio do bailout. 

Na ocasião, o Brasil recebeu cerca de US$ 42 bilhões de dólares do FMI - Fundo Monetário Internacional para estabilizar a sua economia após a crise asiática de 1997.