O que é avaliação intrínseca

A avaliação intrínseca é uma das metodologias utilizadas pelos investidores para definir se o valor de uma ação reflete o real valor de uma companhia ou não.

Em síntese, a avaliação intrínseca, também conhecida como Value Investing, ajuda os investidores a identificar quanto vale a pena pagar por determinada ação.

Com base no patrimônio, nos resultados e nos negócios desenvolvidos pela empresa, a avaliação intrínseca é cada de demonstrar se uma ação está sendo negociada:

  • Acima do valor intrínseco (valor real) da empresa;
  • Abaixo do valor intrínseco (valor real) da empresa.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Indicadores utilizados na avaliação intrínseca

A avaliação intrínseca costuma fazer uso da análise fundamentalista de ações tendo como pressuposto a análise de diversos indicadores que podem ajudar o investidor a compreender o real valor de uma empresa.

Dentre os principais indicadores a serem observados em uma avaliação intrínseca, podemos citar:

  • P/L: Demonstra quanto o mercado está disposto a pagar pela ação de uma empresa e em quanto tempo é possível recuperar o valor investido.
  • P/VP: Indica quanto o mercado está disposto a pagar pelo patrimônio líquido da empresa;
  • Dividend Yield: Dividendos pagos por ativo em relação ao preço da ação;
  • Payout: Percentual do lucro da empresa que é distribuído aos acionistas;
  • Margem EBITDA: Demonstra o lucro operacional da empresa;
  • P/ATIVO: Preço da ação dividido pelos ativos da empresa;
  • VPA: Patrimônio líquido dividido pelo número de ações;
  • LPA: Lucro por ação emitida;
  • ROE: Capacidade de retorno sobre o patrimônio líquido;
  • CAGR Receitas: Capacidade de crescimento das receitas; 
  • Dentre outros indicadores importantes.

Com base nos indicadores citados acima e em alguns outros, os investidores podem diferenciar a avaliação de mercado (quanto o mercado está disposto a pagar) e a avaliação intrínseca (quanto a empresa realmente vale).

Por sinal, os indicadores  acima destacados são um excelente caminho para definir se uma ação está sendo negociada abaixo do valor intrínseco (oportunidade de compra) ou acima do seu valor intrínseco.

Vantagens da avaliação intrínseca

Confira na sequência as principais vantagens da avaliação intrínseca no mercado financeiro:

  • Permite que o investidor conheça o real valor da empresa em análise;
  • Auxilia o investidor a evitar a compra de ativos acima do valor de mercado;
  • Auxilia o investidor a identificar boas oportunidades de compra;
  • Evita o famoso efeito manada (Compro quando todos compram, vendo quando todos vendem);
  • Torna a análise de ações mais assertiva e profissional;
  • Maximiza os resultados de longo prazo do investidor;
  • Evita a compra de ativos inflados por especulações de mercado;
  • Gera maior segurança, reduzindo os riscos do investimento na bolsa de valores;
  • Dentre outras vantagens.

Pode-se observar que a avaliação intrínseca possui uma série de vantagens, razão pela qual atrai investidores, sendo utilizada como uma das principais ferramentas de avaliação da atualidade.

Desvantagens da avaliação intrínseca

Confira na sequência as principais desvantagens da avaliação intrínseca no mercado financeiro:

  • Exige conhecimento técnico a respeito dos indicadores;
  • Não leva em consideração aspectos subjetivos dos negócios;
  • Depende do ponto de vista de cada investidor;
  • Sinais que podem ser negativos para alguns, pode ser positivo para outros.
  • Não indica com clareza os pontos de compra e venda de uma ação;
  • Dentre outras desvantagens.

Apesar de oferecer inúmeras vantagens, a avaliação intrínseca também possui as suas desvantagens, muito em razão da imprevisibilidade e incertezas dos ativos de renda variável.

É importante destacar, que apesar de auxiliar nas análises de ativos do mercado financeiro, a avaliação intrínseca não exime o investidor de riscos não esperados e até então desconhecidos, como os efeitos de uma pandemia, por exemplo.

Sendo assim, cabe única e exclusivamente ao investidor a realização da avaliação intrínseca dos seus ativos, levando em consideração principalmente os seus objetivos e grau limite de exposição ao risco.