O que é Ativo-objeto

Ativo-objeto é um termo muito comum na negociação de derivativos por ser justamente o ativo que confere aos derivativos seu valor, isto é, que baseia o preço de um derivativo.

Também conhecido como ativo subjacente ou ativo de suporte, esse ativo é capaz de conduzir o valor de um derivativo qualquer que está sendo negociado.

Vale mencionar que esse termo é mais comum em contratos futuro ou no mercado de opções. Abaixo veremos quais suas características, exemplos e sua importância. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Características do Ativo-objeto

O Ativo-objeto não tem um aspecto ou substância pré-definida, podendo assumir diversas formas. Seu principal atributo é basear e dar valor a determinado derivativo. Em resumo, sua função é ser o ativo primário do derivativo.

O derivativo, isto é, um contrato entre duas ou mais partes, não tem valor intrínseco, sendo assim submetido às determinações do valor do ativo-objeto.

Podemos encontrar, principalmente, os ativos-objeto em forma física, como café, ouro, commodities em geral, ou em forma financeira, como ações, taxas de juros, títulos. O importante é que ele tenha valor.

Isso significa também que existem diversas variáveis que explicam a flutuação de preço do ativo-objeto, pois dependerá sempre da forma assumida por esse.

Por exemplo, é mais provável que o clima exerça maior impacto no valor de commodities do que em uma ação ou na taxa de juros. Por outro lado, os riscos de mercado provavelmente invertem essa situação. 

Como funciona um Ativo-objeto no mercado de opções

O mercado de opções é o local onde estão disponíveis os contratos de direito que permitem ao seu titular comprar ou vender determinado ativo, a um certo preço em uma data específica.

Em geral, quando um investidor decide comprar uma opção de compra ou venda de um ativo, ele está tentando se proteger das possíveis oscilações e da volatilidade dos preços. 

As opções são um bom exemplo de derivativo, pois tem seu valor atrelado ao ativo-objeto.

Existem dois tipos de opções: as que permitem comprar o ativo-objeto (call) e as que dão o direito de vender o objeto do contrato (put). 

A Call é exercida quando o ativo-objeto está sendo negociado no mercado a um preço acima do valor prefixado na opção. Assim, o titular consegue adquirir o ativo-objeto a um preço melhor.

A Put é exercida apenas se o ativo-objeto estiver sendo negociado a um preço abaixo do valor prefixado na opção. Agora vejamos alguns exemplos. 

Digamos que um investidor tenha comprado uma opção de venda sobre a ação de uma construtora. Com isso, ele terá o direito, mas não a obrigação, de vender a ação pelo preço fixado até o vencimento.

Nesse exemplo, o ativo-objeto são as ações ordinárias da construtora e o preço da opção é baseado no preço da ação. Logo, se o preço das ações sobe, o preço da opção também será afetado.

Um outro exemplo mais simples: suponha que um investidor comprou um contrato futuro sobre o Real para travar a taxa de câmbio em uma data futura. Nesse cenário, o Real será o ativo-objeto.

Qual a importância do Ativo-objeto

O conceito de Ativo-objeto é um daqueles termos mais importantes para qualquer investidor. Ele faz parte do léxico cotidiano do mercado financeiro, portanto, conhecê-lo trará mais solidez aos seus conhecimentos financeiros.

Ele será útil para negociar no mercado de opções, e vale recordar que as opções de ações no Brasil, principalmente as de compra, são muito populares entre os investidores, no mercado futuro e também no mercado à vista.

Por fim, ele também é peça essencial para a avaliação dos derivativos, haja vista que o ativo-objeto será sempre sua referência, no qual os investidores sempre poderão encontrar oportunidades para realizar operações menos flutuantes.