O que é Assessor de Investimentos 

O assessor de investimentos trabalha em corretoras de investimentos e é o responsável por auxiliar seus clientes a montarem uma carteira de investimentos

Conhecido também como Agente Autônomo de Investimento (AAI), esse profissional pode sugerir todas as classes de investimentos, alocar e diversificar ativos de seus clientes, considerando o perfil e os objetivos deles. 

Também deve explicar as características dos produtos, cadastrar novos clientes, receber as ordens e transmiti-las para os sistemas de negociação, além de esclarecer dúvidas práticas.

Outra função é contribuir para que a corretora para qual trabalhe conquiste mais clientes. 

Para sugerir a alocação, o assessor deve considerar a situação de mercado e as recomendações dos analistas.

O assessor de investimento precisa ter a Certificação de Agente Autônomo de Investimentos (AAI), da Associação Nacional das Corretoras de Valores (Ancord). É autorizado a exercer a função pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Com arecente instabilidade econômica no Brasil e a queda histórica da taxa básica de juros (Selic), as pessoas estão cada vez mais buscando a Bolsa e profissionais especializados em investimentos.

Isso aumenta muito a demanda por assessores de investimentos entre as instituições financeiras.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Remuneração de um assessor de investimentos 

Esse profissional é remunerado por comissões, que variam de acordo com o número de vendas realizadas. Dessa maneira, quanto mais pessoas realizarem investimentos nas corretoras com o assessor, maior será a sua comissão. 

Ou seja, não há remuneração fixa. Por isso, o profissional deve-se ter bastante empenho para conquistar uma sólida carteira de clientes, garantir os melhores investimentos para eles a fim de obter um bom retorno financeiro.

Conhecimentos de um assessor de investimentos

Um assessor deve ter conhecimentos em:

  • Conhecimento técnico sobre a estratégia de investimentos
  • Alocação de ativos ou asset allocation
  • Todas as classes de investimentos (por exemplo, ações, renda fixa, debêntures
  • Escuta ativa: saber ouvir muito bem o cliente para identificar as necessidades do cliente e a capacidade dele de exposição ao risco
  • Educação financeira e capacidade de ensinar os clientes 
  • Intensidade, resiliência e foco

Pré-requisitos para ser um assessor de investimentos

Os pré-requisitos para ser um agente autônomo de investimento são: 

  • ter ensino médio completo (não é necessário ter ensino superior);
  • não apresentar antecedentes criminais;
  • estar em pleno exercício dos direitos civis;
  • morar no Brasil;
  • pagar R$460,00 para inscrição no exame da Ancord e ser aprovado no teste.

Certificação de Agente Autônomo de Investimentos 

Como dito anteriormente, o profissional que desejar atuar como assessor de investimentos deve ter a Certificação de Agente Autônomo de Investimentos (AAI), da Ancord.

Para obtê-lo, deve fazer uma prova dura 2 horas e meia e possui 80 questões objetivas de múltipla escolha, mas não é necessária nenhuma formação específica para realizá-la.

São testados conhecimentos sobre as atribuições de um agente autônomo, mercado financeiro, fundos de investimentos, entre outros assuntos. Para ser aprovado, o candidato precisa acertar no mínimo 70% das questões. 

Uma vez aprovado no exame, o assessor já pode trabalhar para uma corretora e atender aos clientes.

Assessor de Investimentos x Analista Financeiro 

Analista é o profissional que pode emitir opinião, por meio de análises sobre investimentos. Ele pode recomendar ou não a compra ou venda de ações, títulos de renda fixa ou qualquer outro tipo de aplicação financeira.

Para desempenhar essa atividade, o analista precisa da Certificação Nacional dos Profissionais de Investimentos (CNPI), emitida pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec).

Já o assessor de investimentos não pode omitir opinião, isto é, não pode recomendar a compra ou venda de ativos, emitir relatórios de análise e documentos similares, devido a questões regulatórias.