O que é Aposentadoria Integral 

Aposentadoria é a remuneração recebida por um trabalhador aposentado. É o pagamento devido ao afastamento das atividades trabalhistas. 

Por sua vez, a Aposentadoria Integral é quando o trabalhador recebe a quantia total da aposentadoria que lhe é garantida por lei, isto é, sem descontos.

Esse termo entrou em voga depois da Reforma da Previdência, promulgada em 12 de novembro de 2019, porque as leis que definem os critérios para aposentadoria integral alteraram-se. 

Com as novas regras, tornou-se mais difícil para o trabalhador aposentar-se com a aposentadoria integral do que antes.

Por isso, é cada vez mais importante pensar em alternativas para garantir um bom padrão de vida na velhice, como fazer um bom plano de previdência privada ainda na juventude. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funcionava a Aposentadoria Integral antes da Reforma 

Antes da Reforma da Previdência, para o trabalhador obter a aposentadoria integral era preciso:

  • 30 anos de contribuição ao INSS, para as mulheres
  • 35 anos de contribuição ao INSS para os homens

Depois do tempo de contribuição, o aposentado teria o seu benefício calculado a partir da média aritmética simples dos maiores salários de contribuições, sendo isso, equivalente a  80% do período contributivo a partir de julho de 1994.

Por exemplo, considere uma enfermeira que iniciou sua carreira aos 25 anos, em 1990. Pela antiga regra, ela deveria se aposentar em 2020, após 30 anos de contribuição, com 55 anos.

Suponha também, que no primeiro hospital em que ela trabalhou, ela ganhava R$1000, em 1994. Ela manteve o salário até 1996, quando passou a receber R$2000. Ao longo da carreira, ela teve mais dois aumentos.

Em 2005, ela passou a ganhar R$3000 e em 2010, ela ganhava R$5000. 

Segundo as regras antigas da aposentadoria, sua aposentadoria integral seria a média de R$2000 + R$3000 + R$50000, ou seja, R$3.300 reais. 

Como funciona a Aposentadoria Integral depois da Reforma 

Depois da Reforma da Previdência, para o trabalhador obter a aposentadoria integral é preciso:

  • 35 anos de contribuição ao INSS, para as mulheres
  • 40 anos de contribuição ao INSS para os homens

O aposentado terá o seu benefício calculado a partir da média aritmética simples de todas suas contribuições, a partir de julho de 1994.

Desse valor, o benefício será de 60% acrescido de mais 2% ao ano de tudo que ultrapassar o período considerado mínimo para aposentadoria, que é de 15 anos para as mulheres e 20 anos para os homens.

Voltemos ao exemplo. Para a enfemeira aposentar com a aposentadoria integral, ela deverá trabalhar até 2025, com 60 anos. 

Segundo as novasregras da aposentadoria, sua aposentadoria integral será a média de R$1000 + R$2000 + R$3000 + R$5000, ou seja, R$2.750,00 reais.

É válido ressaltar que no nosso exemplo, a enfermeira trabalhou todos os anos, sem períodos de desemprego. No Brasil, o desemprego e a informalidade são uma realidade para muitos trabalhadores.

Se nesse período, o trabalhador não contribuir para o INSS,  esses anos não contarão como anos trabalhados para obter a aposentadoria integral. 

De volta ao exemplo, se a enfermeira trabalhou como cuidadora de idosos de maneira informal entre 2005 e 2010, ela poderá se aposentar somente em 2030, aos 65 anos. 

Alguns outros fatores, como periculosidade, podem afetar também o tempo mínimo e as condições para obter a aposentadoria integral. É preciso verificar cada categoria para saber se esses fatores são relevantes. 

Previdência Privada 

Diante das mudanças e mesmo de limitações da previdência social (o limite máximo pago pelo Governo é de R$5800), os trabalhadores devem estar atentos às possibilidades que a previdência complementar pode trazer. 

A previdência privada, também conhecida como previdência complementar, é um investimento de longo prazo. O investidor que busca esse tipo de investimento deve ter como objetivo manter o mesmo padrão de vida na velhice. 

Foi criada com objetivo de gerar uma renda adicional ao trabalhador. Para contratar uma previdência privada, é preciso buscar uma instituição financeira credenciada, como seguradoras e corretoras de valores.