O que é apelo à autoridade

Apelo à autoridade é a ideia de que um argumento é válido se utilizado por alguém que possui autoridade, ainda que essa pessoa não seja especialista no tema em questão ou não apresente raciocínios lógicos. 

Ou seja, a conclusão de aquele é um argumento verdadeiro que se baseia exclusivamente na credibilidade do autor do argumento, e não nas razões que ele apresenta para sustentá-lo. 

Portanto, trata-se de uma falácia (um raciocínio errado com aparência de verdadeiro) e prejudica a tomada de decisão que faça bom uso da razão.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Apelo à autoridade e viés cognitivo

Um viés cognitivo é um pré-julgamento que influencia o processo de tomada de decisão. São atalhos mentais que tornam o pensamento mais fluido, mas pode também levar a decisões irracionais. 

No mercado financeiro, a tomada de decisões é um processo constante, por isso, é importante estar atento aos vieses cognitivos que influenciam. 

Acreditar que algo é confiável apenas porque foi dito por um especialista é um desses vieses cognitivos. Por isso, é importante diferenciar informações de qualidade de especialistas daquelas falaciosas. 

Argumentos baseados em autoridade 

Nem todo argumento baseado na autoridade de um especialista é, por consequência disso, uma falácia. Muitas vezes, especialistas estudam anos sobre determinados temas, e por consequência, apresentam uma bagagem de argumentos que sustentam suas posições. 

Geralmente, esses argumentos são verificados por seus pares (outros especialistas) que validam aquela informação. Se se trata de uma afirmação no campo científico, ela pode ser refutada ao longo do tempo e dos avanços tecnológicos. 

Um tipo de argumento baseado em autoridade não falacioso é convidar um especialista em determinada área de estudo para falar sobre essa área. Um analista financeiro para falar sobre finanças, por exemplo. 

É importante destacar que mesmo que uma pessoa seja especialista em determinado tema, não é lógico assumir que ela será especialista em todos. 

Se um grupo de pessoas discute temas relacionados à economia, é legítimo recorrer à autoridade de John Maynard Keynes ou Friedrich Hayek como fonte confiável. 

Contudo, se neste debate, alguém recorrer a Nicole Kidman, vencedora do Oscar, seria falacioso, ainda que ela seja uma especialista em sua área de atuação. É a falácia do apelo à autoridade.

Apelo a autoridade no mercado financeiro 

No mercado financeiro, é comum ver cursos ou sugestões de estra´tegias baseadas no apelo à autoridade. Discursos como “invista como tal pessoa” são comuns, ainda que nem sempre essa pessoa seja uma autoridade no assunto.

Por isso, é preciso ter cautela e dedicar bastante tempo à educação financeira, a fim de evitar fraudes e golpes financeiros

Além disso, é preciso estar atento, pois mesmo quando uma informação é dada por uma legítima autoridade, ela pode não ser útil ou aplicável naquele momento.

Não seria falacioso que um gestor de carteiras recomendasse a um investidor um investimento de alto risco (como hedge funds) como uma boa oportunidade, por exemplo. 

Porém, se o investidor encontra-se em uma situação de baixa aversão ao risco, investir nesse produto não será a melhor decisão a ser tomada por ele naquele momento. 

Também é importante lembrar que pessoas próximas podem parecer autoridades também. Não se esqueça que bons amigos nem sempre são bons investidores. 

Evitar embasar decisões em argumentos do tipo “investirei neste fundo, pois meu amigo investe” pode poupar tempo e dinheiro. As decisões de investimento devem sempre ser baseadas na razão

Àpelo a autoridade em propagandas

A mídia recorre frequentemente à falácia do apelo à autoridade. É comum que artistas sejam convidados para fazer propaganda sobre determinado produto, ainda que não tenham propriedade alguma sobre o tema. 

Ainda assim, essa estratégia amplamente utilizada, funciona. É preciso estar atento ao tomar uma decisão e verificar se ela está sendo racionalmente embasada ou está sendo feita a partir de um viés cognitivo falacioso.