A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira reajuste médio de 9,89% nas tarifas da Copel Distribuição (CPLE6). Para os consumidores atendidos em alta tensão, como indústrias, o efeito médio será de 9,57%.

Já para os de baixa tensão, que inclui os residenciais, o impacto médio será de 10,04%. As novas tarifas entram em vigor a partir da próxima quinta-feira, 24.

A empresa é responsável pela distribuição de energia para 4,8 milhões de consumidores, considerando todos os grupos, como comerciais, rurais, residenciais e livres.

O reajuste é resultado da revisão tarifária da companhia, processo realizado pela agência reguladora para manter o equilíbrio econômico-financeiro das distribuidoras.

A revisão é realizada periodicamente em intervalos de quatro anos. O relator do processo, diretor Hélvio Neves Guerra, afirmou que como em outros setores, a pandemia da covid-19 impactou o setor elétrico e as distribuidoras de energia.

Ele ressaltou que a aprovação de reajustes das tarifas tem sido um desafio para a Aneel, mas que a agência tem conseguido mitigar os impactos sem recursos do Tesouro.

"Estamos lidando, principalmente, com as consequência da pandemia da covid-19 no setor elétrico e na população brasileira”.

“A busca desse equilíbrio tem sido um exercício constante da agência, que tem se empenhado para garantir a sustentação das empresas, ao passo que procuramos mitigar efeitos econômicos do aumento de tarifas considerando momento de perda de renda", afirmou.

O diretor ressaltou medidas aplicadas para aliviar os reajustes, como o uso de créditos de PIS/Cofins, cobrados de forma incorreta nos últimos anos.

O impacto dessa medida foi de -6,50%. Também contribuíram para atenuar o porcentual a reversão de recursos da chamada conta-covid e o adiamento do pagamento de indenizações às transmissoras.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

Resultado da Copel no Primeiro Trimestre de 2021

O resultado da Copel (CPLE6) no primeiro trimestre de 2021 (1t21), divulgado no dia 05 de maio, apresentou um lucro líquido de R$ 795,2 milhões no 1t21, uma alta de 55,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebitda da Copel atingiu R$ 1,3 bilhão no 1t21, apresentando crescimento de 18,8% na comparação com o 1t20.

A margem Ebitda da Copel totalizou 57,2% no 1t21, apresentando crescimento de 3,3 ponto percentual na comparação com o 1t20.  

A Margem líquida da Copel atingiu 15,9% no 1t21, apresentando crescimento de 3,6 ponto percentual na comparação com o 1t20.

As ações da Copel (CPLE6) acumulam queda de 2,50% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 8,93% nos últimos 12 meses.

Informe o DDD + 9 dígitos

Fonte: Estadão Conteúdo.