O que é análise marginal

Uma análise marginal é a relação que é feita em relação aos custos para desempenhar uma determinada atividade no âmbito empresarial.

O principal objetivo da análise marginal é comparar os custos com os resultados obtidos por meio de uma pesquisa no mercado financeiro.

Essa análise acaba se tornando extremamente importante e útil para para definir decisões dentro de uma empresa.

Isso ocorre, pois através dela é que o gestor da empresa consegue definir se os recursos pautados na atividade X trarão resultados para a empresa.

Caso ocorra uma relação de ganhos relativos aos custos, o gestor da empresa pode definir se vai manter ou aumentar o investimento da empresa na área.

Caso o contrário ocorra, ele pode procurar deixar de investir na área e procurar algo que seja mais rentável para a companhia.

O objetivo principal da análise marginal é maximizar os ganhos e retornos de uma ação no  âmbito empresarial.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como a análise marginal irrompeu

A análise marginal é um conceito que surgiu na obra do economista Gregory Mankiw e está associada a um dos princípios do autor na obra.

Segundo o economista, um dos princípios fundamentais é pensar na margem, pois esta seria a melhor forma de tomar decisões no mercado financeiro.

Vale ressaltar que, em uma empresa as decisões são tomadas esperando lucratividade cada vez maior da empresa em cima do investimento.

Sendo assim, o economista criou uma teoria que diz que a forma mais inteligente de atrair lucratividade é a de que os benefícios adquiridos devem sempre ser maiores que os lucros.

Considerando o que foi dito, se a expectativa não é almejada, a decisão mais inteligente é a mudança para novos caminhos empresariais.

Essa teoria da análise marginal de Mankiw ficou conhecida popularmente no meio empresarial e financeiro como marginalismo.

Para o marginalismo é sempre mais importante fazer análises e tomar decisões sempre buscando partir da margem e mudando cada vez mais para adquirir benefícios.

É importante salientar que o marginalismo não é uma teoria que surgiu da gestão financeira, mas surgiu da economia em si.

Sendo assim, quando nos referimos ao custo e benefício estamos nos referindo ao mesmo pensamento marginal em economia. Porém, quando atrelamos o termo à gestão financeira, nos referimos à análise marginal.

É importante definir bem o que é afinal cada expressão, pois as duas acabam tendo muita similaridade entre si.

Diferença entre análise marginal e custo-benefício

Se fossemos definir o quão complexo é o conceito entre análise marginal e custo-benefício, poderíamos dizer que a análise marginal possui mais complexidade do que o custo-benefício.

É válido ressaltar que a análise marginal está associada aos conceitos de lei da diminuição da utilidade marginal e lei da diminuição da produtividade marginal.

O primeiro conceito citado busca definir que uma empresa só deve arranjar custos adicionais caso esses tragam lucratividade para a companhia.

Enquanto o segundo conceito define que com o passar do tempo, quanto mais se investe em um recurso variável, menos retorno lucrativo ele tem a oferecer com o decorrer do período.

Em relação ao custo-benefício, ele exige apenas que haja uma unidade de medida em comum no âmbito financeiro para que a comparação seja feita com assertividade.

Por exemplo, caso uma atividade da empresa se uma atividade X demanda 20% de custos adicionais e traz 25% de retorno, será feito um cálculo pela empresa para definir se o investimento será feito.

Por esse motivo e por vários outros que podemos dizer que a análise marginal é muito mais complexa que o custo-benefício, tornando não só ela mas ambos os recursos como essenciais para a gestão financeira.