O que é ação de segunda linha?

O termo ação de segunda linha é utilizado para fazer referência aos papéis emitidos por empresas de menor expressão e valor patrimonial, ou seja, ações que não costumam figurar entre as preferidas dos investidores.

Na maioria das vezes, essa característica é atribuída às chamadas small caps, que são aquelas empresas que possuem menor poder de capitalização e representatividade no mercado.

A princípio intitula uma ação como de “segunda linha”, pode parecer no mínimo depreciativo. No entanto, essa característica não deve ser vista de forma pejorativa pelos investidores. 

É preciso destacar, que em um mercado composto pelas maiores empresas do país, até mesmo as ações de segunda linha podem ser consideradas um bom negócio.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Características da ação de segunda linha

Como mencionamos anteriormente, as ações de segunda linha são aquelas que possuem menor representatividade no mercado, ou seja, as famosas ações small caps

Conhecendo a definição acima, fica muito fácil identificar quais são as ações de segunda linha, no entanto, é importante conhecer todas as suas características antes de tomar qualquer tipo de decisão como investidor.

Vejamos quais são as principais características de uma ação de segunda linha:

Menor liquidez

Em geral, as ações de segunda linha possuem menor procura e ficam fora do radar de boa parte dos investidores, com isso, o seu volume de negociações e a sua liquidez costumam ser menores.

Dizer que uma ação possui menor liquidez, é o mesmo que afirmar que o investidor encontrará maior dificuldade para encontrar um comprador, quando interessado em vender as suas ações.

Maior volatilidade

Devido ao menor volume de negociações, as ações de segunda linha também costumam apresentar maior volatilidade, ou seja oscilações ao longo de determinados períodos, o que pode ser encarado pelos investidores como um potencial risco.

Maior risco

Com um número relativamente pequeno de investidores interessados em negociar esse tipo de papel, pode se tornar difícil negociá-lo em momentos de desvalorização, o que inevitavelmente aumenta os riscos dos investidores.

Além disso, empresas com menor expressão podem não contar com o mesmo nível de governança de uma empresa de grande porte. 

Logo essas empresas ficam mais suscetíveis a decisões equivocadas por parte da sua administração, fato que pode interferir diretamente no valor das ações.

Maior rentabilidade

Se por uma lado, as ações de segunda linha costumam representar maior risco, por outro lado, elas podem representar uma excelente possibilidade de crescimento e rentabilidade.

Em geral, as ações de segunda linha são negociadas a um preço bem menor que as de primeira linha, o que pode aumentar as chances de multiplicação do capital investido pelos investidores.

Vale destacar, que as empresas de menor porte são justamente aquelas que possuem maior escalabilidade e possibilidade de crescimento, o que pode fazer de uma ação de segunda linha, uma excelente oportunidade ao longo prazo.

Investimento em ação de segunda linha

Por fim, após conhecer o real significado de uma ação de segunda linha, surge a pergunta:

“Vale a pena investir em uma ação de segunda linha?”

Encontrar uma resposta direta e exata para essa pergunta, pode não ser uma tarefa fácil, afinal como um ativo da renda variável, as ações de segunda linha estão expostas a diversas variáveis.

Logo, assim como todo tipo de ativo, é preciso conhecer os fatores externos que podem influenciar sobre os seus resultados, analisar indicadores e ouvir a opinião de especialistas.

É importante considerar também, que uma ação de segunda linha, costuma sofrer impactos maiores em momentos de instabilidade econômica. 

Na maioria das vezes, esse tipo de papel é visto como uma boa opção para investidores que acreditam nos seus fundamentos a longo prazo.