O que significa Abenomics?

Abenomics refere-se às políticas econômicas implementadas no Japão, a partir das eleições gerais de dezembro de 2012, que colocaram o Partido Liberal Democrático do Japão (LDP) à frente do governo. 

O termo tem o nome de Shinzō Abe, que serviu por dois mandatos como primeiro-ministro do Japão de 2012 a 2020. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Qual foi a orientação do Abenomics?

As políticas do Abenomics são baseadas em três frentes:

  1. flexibilização monetária do Banco do Japão;
  2. estímulo fiscal por meio de gastos do governo;
  3. reformas estruturais. 

Este conjunto de medidas formaram uma estratégia de crescimento projetada para sacudir a economia japonesa da estagnação que dominou o país  por mais de duas décadas.

Como foi executado o Abenomics?

As medidas do Abenomics foram implementadas já nas primeiras semanas do segundo mandato de Abe Shinzo, em 2012.

Para o estímulo fiscal, o primeiro-ministro japonês anunciou um pacote 10,3 trilhões de ienes e estabeleceu uma meta de taxa de inflação para o Bank of Japan (BoJ) de 2% ano ano.

Em abril de 2013, o BoJ anunciou o programa de quantitative easing, pelo qual o banco compraria de 60 a 70 trilhões de ienes em ativos por ano. 

Já em 2014, o programa foi expandido para 80 trilhões por ano.

Sobre as reformas, terceiro pilar do Abenomics, estas levaram mais tempo para serem efetivadas. 

Uma das primeiras ações de Abe Shinzo foi insistir na participação do Japão na Parceria Transpacífica.

Em 2014, foi anunciado um pacote de reformas que incluía:

  1. reforma na governança corporativa;
  2. corte de impostos para empresas a menos de 30%;
  3. redução das restrições para contratação de trabalhadores estrangeiros;
  4. liberalização do setor de saúde e variadas medidas para apoiar o empreendedorismo.

Quais os resultados do Abenomics?

O Abenomics teve efeito imediato principalmente no mercado financeiro do Japão. Em Fevereiro de 2013, o iene teve forte desvalorização do iene, 

Por outro lado, o  índice TOPIX (índice da bolsa japonesa para ações domésticas) teve crescimento de 22% no ano.

No entanto, o impacto nos salários e na confiança dos consumidores não foi tão forte, de modo que muitos japoneses não alteraram seu comportamento de consumo.

Com o iene desvalorizado, o Abenomics aumentou os custos de importação, inclusive de itens dos quais o Japão dependia muito, como o petróleo. 

Entretanto, o governo argumentou que esse seria um efeito temporário, pois a desvalorização da moeda induziria o crescimento das exportações. 

Nos anos do Abenomics o país conseguiu manter sua balança comercial superavitária, especialmente devido aos investimentos vindos do exterior.

Porém, em dezembro de 2018, foi registrado um princípio de contração da economia japonesa.